ASSINE PLACAR DIGITAL NO APP POR APENAS R$ 6,90/MÊS

Vítima de racismo, Rashford agradece a quem o apoiou e se diz orgulhoso

“Nunca vou me desculpar por ser quem eu sou”, afirmou o atacante inglês, em carta na qual comentou sobre o pênalti perdido na final contra a Itália

Por Da Redação Atualizado em 23 set 2021, 18h51 - Publicado em 12 jul 2021, 19h20

O atacante Marcus Rashford, da seleção inglesa, se manifestou nesta segunda-feira, 12, um dia depois de desperdiçar um pênalti na derrota diante da Itália, na final da Eurocopa, em Wembley. Assim como seus colegas Jadon Sancho e Bukayo Saka, que também falharam suas cobranças, o jogador do Manchester United foi vítima de ataques racistas nas redes sociais.

No entanto, em uma longa carta nas redes sociais, Rashford preferiu agradecer aqueles que o apoiaram e reiterou seu orgulho em defender a Inglaterra e em ser um jovem negro criado no subúrbio de Withington, no sul de Manchester. “Nunca vou me desculpar por ser quem sou e de onde vim”, escreveu.

Assine a revista digital no app por apenas R$ 8,90/mês

O atleta do Manchester United entrou no fim da prorrogação, apenas para bater os pênaltis, algo que costuma fazer em seu clube. Ele admitiu que estava com a confiança baixa, mas fez questão de agradecer a toda a equipe pelo respaldo que recebeu ao longo de todo o torneio. “Tudo o que posso dizer é que sinto muito. Eu gostaria que tivesse sido diferente. Enquanto continuo a pedir desculpas, quero me dirigir a meus companheiros de equipe. Este verão foi um dos melhores acampamentos que já experimentei e todos vocês desempenharam um papel nisso. Uma irmandade foi construída que é inquebrável. Seu sucesso é meu sucesso. Suas falhas são minhas.”

Rashford é um dos atletas mais ativos em ações sociais no Reino Unido. Ele  lidera uma série de campanhas contra a pobreza infantil e chegou a convencer o governo britânico a restabelecer almoços grátis para milhares de crianças pobres em meio à pandemia do coronavírus. Em sua carta, o jogador se disse emocionado com o apoio que recebeu, após ser vítima de racismo.

Pênalti cobrado por Rashford que bateu na trave na decisão da Eurocopa -
Pênalti cobrado por Rashford que bateu na trave na decisão da Eurocopa – Paul Ellis/AFP

“Nunca me senti tão orgulhoso como quando pude vestir aqueles três leões no meu peito e ver minha família torcer por mim em meio a uma multidão de dezenas de milhares. Sonhei com dias assim. As mensagens que recebi hoje foram positivamente impressionantes e ver a resposta em Withington me deixou à beira das lágrimas. As comunidades que sempre envolveram seus braços em volta de mim continuam a me sustentar. Sou Marcus Rashford, 23 anos, negro de Withington e Wythenshawe, no sul de Manchester. Se não tenho mais nada, tenho isso.”

Confira, abaixo, a íntegra da mensagem de Rashford:

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Marcus Rashford MBE (@marcusrashford)

“Eu nem sei por onde começar e nem sei como colocar em palavras como estou me sentindo neste exato momento. Tive uma temporada difícil, acho que ficou claro para todos e provavelmente fui para a final com falta de confiança. Sempre assumi a responsabilidade de bater penalidades, mas algo não parecia certo. Durante a longa corrida, fui poupando um pouco de tempo e infelizmente o resultado não foi o que eu queria. Eu me senti como se tivesse decepcionado meus companheiros de equipe. Eu me senti como se tivesse decepcionado todo mundo. Uma penalidade foi tudo o que me pediram para contribuir para a equipe. Sou capaz de converter pênaltis enquanto durmo, então por que não aquele? Isso não sai da minha cabeça repetidamente desde que bati na bola e provavelmente não há uma palavra para descrever bem a sensação. Final. 55 anos. Uma penalidade. História. Tudo o que posso dizer é que sinto muito. Eu gostaria que tivesse sido diferente. Enquanto continuo a pedir desculpas, quero me dirigir a meus companheiros de equipe. Este verão foi um dos melhores acampamentos que já experimentei e todos vocês desempenharam um papel nisso. Uma irmandade foi construída que é inquebrável. Seu sucesso é meu sucesso. Suas falhas são minhas. Cresci em um esporte em que espero ler coisas escritas sobre mim. Seja a cor da minha pele, onde cresci ou, mais recentemente, como decido passar meu tempo fora do campo. Posso receber críticas do meu desempenho o dia todo, meu pênalti não foi bom o suficiente, deveria ter entrado, mas nunca vou me desculpar por ser quem sou e de onde vim. Nunca me senti tão orgulhoso como quando pude vestir aqueles três leões no meu peito e ver minha família torcer por mim em uma multidão de dezenas de milhares. Sonhei com dias assim. As mensagens que recebi hoje foram positivamente impressionantes e ver a resposta em Withington me deixou à beira das lágrimas. As comunidades que sempre envolveram seus braços em volta de mim continuam a me sustentar. Sou Marcus Rashford, 23 anos, negro de Withington e Wythenshawe, no sul de Manchester. Se não tenho mais nada, tenho isso.

Por todas as mensagens gentis, obrigado. Eu voltarei mais forte. Estaremos de volta mais fortes.”

MR10

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade