ASSINE PLACAR DIGITAL NO APP POR APENAS R$ 6,90/MÊS

Sem marcar gols na seleção desde 2019, Gabriel Jesus tem posição ameaçada

Camisa 9 não marcou nenhum gol em seus oito jogos pelas Eliminatórias; má fase preocupa comissão às vésperas do clássico contra a Argentina

Por Da Redação Atualizado em 15 nov 2021, 19h42 - Publicado em 15 nov 2021, 19h40

Já classificado para a Copa do Mundo de 2022, no Catar, o Brasil está invicto após 12 jogos nas Eliminatórias e lidera a competição com 34 pontos. O atacante Gabriel Jesus, do Manchester City, não acompanha o bom rendimento do time. Ele não marcou nenhum na competição com a camisa da seleção, embora tenha participado de oito partidas, das quais começou sete como titular.

Black Friday Abril: Assine #PLACAR digital no app por apenas R$ 6,90/mês. Não perca!

Esse retrospecto infeliz e um pouco da história de Jesus envergando a amarelinha explicam a possível ausência do atacante no time que, especula-se, deve começar a partida contra a Argentina, na terça-feira, 16, às 20h30, na cidade de San Juan. Em seu lugar, é possível que o técnico Tite opte por Matheus Cunha, do Atlético de Madri, que substituiu o companheiro no último treino aberto de domingo. A prática desta segunda, 15, ocorreu no CT do Palmeiras e foi a portas fechadas.

Gabriel Jesus estreou na seleção brasileira no dia 1º de setembro de 2016, contra o Equador. Ele fez dois gols e deu uma assistência na vitória por 3 a 0, que também marcou a estreia de Tite no comando da equipe. Na Copa do Mundo da Rússia, em 2018, saiu como entrou, sem gols. Na Copa América de 2019, fez um gol na final contra o Peru e foi expulso aos 25 minutos do segundo tempo. Desde então, não marcou mais com a amarelinha.

De lá para cá, Jesus fez 16 jogos com a camisa da seleção. Foram 1168 minutos em campo, sendo que ele completou 90 minutos em apenas duas partidas.

Antes da vitória por 1 a 0 contra a Colômbia, da qual Jesus saiu vaiado, Tite defendeu a versatilidade do atacante.”Gabriel é um atacante, 9 ou 7. Ou seja, ou ele é de lado, um ponta, um externo agressivo, ou ele é 9 de infiltração, do passe da profundidade. Ele tem as características tanto para um, quanto para outro. Tem essa versatilidade, é um jogador que tem as virtudes físicas e técnicas para executar uma ou outra função.”

Em outubro, em sua última entrevista coletiva pela seleção, Jesus disse compreender as críticas que recebeu após o Mundial da Rússia. “Vendo pelo meu lado torcedor, as críticas ao meu desempenho em 2018 são compreensíveis. O que eu posso fazer é trabalhar e buscar evoluir. Espero fazer meu melhor e ficar mais perto de disputar mais uma Copa e que dessa vez as coisas aconteçam diferente”, disse, na ocasião.

Continua após a publicidade

Publicidade