CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 12,90/MÊS

Quem é Vitor Pereira: obsessão por estudos e rixa com Jorge Jesus

Português de 53 anos teve passagem vitoriosa pelo Porto, atritos com ex-treinador do Flamengo e apelidou estilo de jogo como 'estrutura transformer'

Por Maria Fernanda Lemos Atualizado em 23 fev 2022, 08h12 - Publicado em 23 fev 2022, 08h00

O técnico português Vitor Pereira já acertou com o Corinthians e está perto de ser anunciado oficialmente pelo clube paulista. Os indícios do anúncio, inclusive, foram revelados pelo perfil do clube nas redes sociais durante a noite da última terça-feira, 23, ao publicar fotos do presidente Duilio Monteiro Alves em Portugal. “Presida em Portugal? Certamente estava trabalhando…”, disse o clube, que ainda prometeu voltar amanhã (nesta quarta, 23) com novidades.

Assine #PLACAR digital no app por apenas R$ 6,90/mês. Não perca!

Adepto de um esquema tático equilibrado, e assumidamente um obcecado por estudar futebol, o português de 53 anos já teve passagens por times da Europa e do Oriente Médio.

Mas foi no Porto, ainda no início da carreira, o seu trabalho de maior destaque: bicampeão nacional nas temporadas 2011/12 e 2012/13, além de ter deixado Jorge Jesus, então à frente do rival Benfica, de joelhos em pleno estádio do Dragão em uma das vitórias mais épicas da história recente do clube.

Pereira estava livre no mercado desde dezembro, quando deixou o Fenerbahce, da Turquia. Conhecido pela boa comunicação com os jogadores e por abraçar um estilo de jogo adaptável, inclusive durante a partida, apelidou o sistema como “estrutura transformer”.

Trajetória

Como jogador, Vitor Pereira não teve grande destaque. Atuou como volante, em pequenos clubes portugueses nos anos 1980 e 1990, até se aposentar precocemente em 1996. Oito anos mais tarde, assumiu o Sanjoanense e, posteriormente, o Santa Clara, times de segunda divisão portuguesa.

Em 2010, passou a integrar a comissão técnica do Porto, do então técnico André Villas-Boas, do qual virou assistente e também braço direito, se tornando peça fundamental para a organização da equipe – campeão português invicto em 2011, feito esse que repetiria em 2013 como treinador.

Pereira fez no Porto o melhor trabalho da carreira -
Pereira fez no Porto o melhor trabalho da carreira – FC Porto/Facebook

Após um ano atuando como auxiliar, assumiu o cargo principal quando Villas-Boas deixou trocou o clube pelo Chelsea. Pereira esteve à frente do Porto por duas vitoriosas e intensas temporadas, e conquistou duas vezes o título nacional.

“Posso dizer que o Corinthians vai contratar um dos três melhores técnicos portugueses dos últimos 10 ou 15 anos. Ele é do tipo obcecado. Acorda pensando em futebol, deita pensando em futebol. Ele mesmo admite que é até um pouco doentio nessa relação com o futebol. É fantástico na forma como consegue montar as equipes”, analisa Pedro Cunha, chefe de redação no site zerozero.

“Apesar do André ser uma pessoa muito comunicadora e marcante. Percebia-se que a sombra dele era fundamental em tudo o que era a orientação tática da equipe. A aposta no Vitor Pereira foi sem surpresas após a saída do Villas-Boas”, acrescenta.

Treinador teve supremacia nos confrontos com Jorge Jesus -
Treinador teve supremacia nos confrontos com Jorge Jesus – FC Porto/Facebook
Continua após a publicidade

Pelo tradicional time português, o técnico alcançou 85% de aproveitamento na liga portuguesa: em 60 jogos, teve apenas uma derrota. À época, contava com um elenco recheado de jovens atletas, entre eles Hulk, hoje do Atlético-MG. Em vias gerais, o clube tinha um elenco menos encorpado em comparação ao rival Benfica, comandado por Jorge Jesus, com quem Pereira teve algumas desavenças – chegando a apontá-lo como egocêntrico durantes os anos que rivalizaram no país.

Mesmo assim, o Porto de Vitor Pereira foi protagonista de um dos capítulos mais marcantes do futebol português recente. Pelo campeonato nacional de 2012/13, os rivais disputavam ponto a ponto o título, até que, aos 47 minutos do segundo tempo, o brasileiro Kelvin marcou o gol da virada do Porto sobre o Benfica, que encaminhou a taça. A imagem de Jorge Jesus caído de joelhos no gramado após o lance ficou eternizada.

Pereira, depois, embarcou em novos desafios. No Al-Ahly, da Arábia Saudita, fez 37 jogos e obteve 19 vitórias. Na temporada 2014/15, esteve à frente do Olympiacos, da Grécia, e obteve 66% de aproveitamento, além de conquistar o Campeonato Grego e a copa nacional. Teve passagens modestas pelo Fenerbahce, da Turquia, e pelo 1860 Munich, da Alemanha, decisão essa mais contestada da carreira.

Pereira teve passagens pela Europa, Ásia e Arábia -
Pereira teve passagens pela Europa, Ásia e Arábia – Fenerbahce/Facebook

“Ele fez duas ou três decisões erradas na carreira. Primeiro, sai logo para a Arábia Saudita, e depois quando vai para o 1860 Munich, clube de segunda divisão alemã. Foram esses pequenos atrasos que fizeram o Vitor não estar trabalhando em uma das grandes ligas europeias”, explica Pedro Cunha.

Na China, esteve à frente do Shanghai SIPG, por três temporadas (2017 a 2020), quando voltou a bons ares, e conquistou a Supercopa do país e o Campeonato Chinês, dando fim à hegemonia do Guanghzou Evergrande.

Estilo de jogo

Estudioso voraz, Vitor Pereira aposta em um esquema tático flexível, que usualmente se adapta ao time que enfrenta. Em entrevista ao site Mais Futebol, o técnico contou que o estilo de jogo, apelidado pelo próprio como “estrutura transformer”, é a tendência  no futebol moderno.

“Na China jogávamos no 3-4-3 ou no 3-5-2, por vezes no 4-3-3. Na semana passada, estive em um ‘webinar’ e apelidei esta nova estrutura de ‘estrutura transformer’. Vivemos em uma tendência de um futebol com as linhas mais coordenadas e os espaços mais reduzidos. Com isso, precisamos nos reinventar no ponto de vista ofensivo”, disse.

Vitor Pereira terá primeira aventura no futebol brasileiro -
Vitor Pereira terá primeira aventura no futebol brasileiro – FC Porto/Facebook

“Isso para mim é o futuro. Podemos montar e desmontar a estrutura durante o jogo. Essas estruturas com três centrais e depois dois laterais ou alas de largura total não são fáceis de controlar”, completa.

Para a temporada 2022, o Corinthians tem na linha ofensiva com Renato Augusto, Giuliano, Willian, Roger Guedes e Paulinho sua grande arma para a temporada, e sempre que teve pelo menos os quatro primeiros em campo, o time paulista nunca perdeu.

Ele deve vir com, pelo menos, quatro integrantes para a comissão técnica. Será o primeiro treinador estrangeiro do Corinthians depois de 17 anos de espera, após a breve passagem dos argentinos Daniel Passarella e de seu auxiliar Alejando Sabella pelo clube.

Ainda não assina Star+?! Clique aqui para se inscrever e ter acesso a jogos ao vivo, séries originais e programas exclusivos da ESPN!

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Impressa + Digital no App

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital no App

a partir de R$ 9,90/mês