CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 12,90/MÊS

Os tesouros do maior museu de futebol do mundo, em Manchester

Com ‘obras de arte’ dos primórdios do esporte e uniformes históricos de Pelé e Maradona, National Football Museum emociona seus visitantes

Por Luiz Felipe Castro Atualizado em 28 set 2021, 20h10 - Publicado em 5 jun 2018, 10h59

MANCHESTER – Pelé de 1958, Beckenbauer de 1974 e Maradona de 1986 permanecem imortalizados no 1º andar do prédio envidraçado, cuja modernidade de sua fachada nada tem a ver com a história centenária contada em seu interior. As camisas utilizadas por alguns dos maiores gênios do futebol em seus momentos de glória são apenas algumas das atrações do National Football Museum, em Manchester, na Inglaterra, o maior museu de futebol do mundo. Por lá, é possível encontrar chuteiras, bolas, troféus, pinturas, jornais e os mais diversos itens de memorabilia do esporte mais amado do planeta e nascido no Reino Unido. Um passeio tão imperdível quanto uma ida ao Old Trafford, estádio do Manchester United, para os amantes do “jogo bonito” que passarem pela cidade no noroeste da Inglaterra.

Tabela completa de jogos da Copa do Mundo de 2018

Basta uma caminhada de quinze minutos da estação de trem de Manchester Picadilly para chegar ao museu, inaugurado na cidade de Preston em 2001 e transferido para o imponente prédio de Manchester em 2012. O National Football Museum conta com mais de 2.500 itens relacionados ao esporte, incluindo exposições rotativas, em seis andares – no último funciona um restaurante. O local é presidido por ninguém menos que sir Bobby Charlton, lenda do Manchester United e da seleção inglesa, campeão da Copa de 1966, o que dá uma ideia de sua importância para o esporte britânico.

Na porta de entrada, o museu promete entregar “drama, história, habilidade, fé, estilo, paixão e futebol”. O acesso é gratuito, mas os curadores ressaltam a importância de que os visitantes façam doações para que o museu bancado pela prefeitura siga crescendo. Há também uma área de jogos interativos, como cobranças de pênaltis em um simulador, que custam entre 3 e 10 libras (15 a 50 reais) e um café no térreo onde diversos souvenires são vendidos.

As obras de arte do museu

Museu Nacional do Futebol, localizado em Manchester - 04/06/2018
Museu Nacional do Futebol, localizado em Manchester – 04/06/2018 Luiz Felipe Castro/VEJA.com

Dentre os itens que mais chamam a atenção dos visitantes estão camisas históricas, como a utilizada no primeiro amistoso internacional da seleção inglesa, contra a Escócia, em 1872, e aquela com a qual o argentino Diego Armando Maradona marcou dois gols lendários contra a Inglaterra na Copa de 1986 (um de mão e outro enfileirando defensores). Ironicamente, o modelo veio morar no Reino Unido – e está perfeitamente conservado. O uniforme amarelo usado por Pelé em seu primeiro jogo de Mundial, em 1958, diante da União Soviética, também tem destaque especial.

Outro item que emociona são os “restos mortais” do antigo estádio de Wembley, que foi demolido e reinaugurado em 2007. Uma catraca e duas cadeiras do estádio original são acompanhadas por uma frase de Pelé: “Wembley é a catedral do futebol. É a capital e o coração do futebol”. É a veneração dos ingleses por sua melhor invenção.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Impressa + Digital no App

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital no App

a partir de R$ 9,90/mês