ASSINE PLACAR DIGITAL NO APP POR APENAS R$ 6,90/MÊS

Os feitos do Fortaleza, vice-líder e sensação do Brasileirão 2021

Clube cearense faz a melhor campanha de um nordestino na história do Brasileirão por pontos corridos e vê vaga direta na Libertadores como sonho real

Por Da Redação 25 out 2021, 12h50

O Fortaleza vem fazendo história no Brasileirão. Com o triunfo do último sábado, 23, por 3 a 0 sobre o Athletico Paranaense no Castelão, o Leão do Pici assumiu a vice-liderança da Série A, com 48 pontos, em 28 rodadas. O sonho de chegar pela primeira vez à Copa Libertadores, portanto, é cada vez mais real. Além disso, se mantiver o fôlego, o clube nordestino pode consolidar a melhor campanha de uma equipe fora dos chamados 13 grandes (Corinthians, Palmeiras, São Paulo, Santos, Flamengo, Vasco, Botafogo, Fluminense, Inter, Grêmio, Atlético Mineiro, Cruzeiro e Athletico Paranaense) no formato por pontos corridos, em vigor desde 2003.

Assine a revista digital no app por apenas R$ 14,90/mês

O mais recente título nacional de elite dos nordestinos foi a Copa do Brasil de 2008, do Sport. Na Série A do Brasileirão, ainda na era de mata-mata, os únicos campeões da região foram o Bahia (1959 e 1989) e o Sport (Copa União de 1987). A campanha do Fortaleza, porém, já superou a do melhor nordestino nesta altura do torneio por pontos corridos: tem 5 pontos a mais que o Vitória de 2013, segundo levantamento de Rodolfo Rodrigues, colaborador de PLACAR, em seu blog no Uol. A equipe baiana terminou aquela edição em 5º.

Com 14 vitórias, 6 empates e 8 derrotas, o Fortaleza de 2021 tem 57,1% de aproveitamento, a segunda melhor campanha entre os azarões, atrás apenas do Goiás de 2005, que terminou aquela edição com 58,7%, na terceira colocação. Mesmo com um grupo relativamente modesto, o time está hoje dois pontos à frente do Flamengo, atual bicampeão, finalista da Libertadores, e dono do elenco mais estrelado do continente.

Juan Pablo Vojvoda, técnico do Fortaleza
Juan Pablo Vojvoda, técnico do Fortaleza. Fortaleza/Divulgação

O time é dirigido por um promissor treinador argentino, Juan Pablo Vojvoda. Contratado em 4 de maio deste ano, o ex-jogador de 46 anos precisou de apenas 14 dias para conquistar o primeiro título, o do Campeonato Cearense, e rapidamente deu um padrão de jogo ao time. “Minha ideia de futebol é simples: todos atacamos e todos defendemos. Obviamente, existem momentos que gosto mais de atacar do que defender, de estar com bola”, contou Vojvoda, em entrevista recente a PLACAR.

“Enxergo que a intensidade no futebol de hoje é muito importante, para isso, precisamos de jogadores que estejam convencidos com essa ideia de pressão. Gosto do jogo de posse, mas também entendo que o jogo é pra ganhar. Então me agrado com equipes verticais, que procurem a frente. Sempre transmito isso para os jogadores e não sou aquele treinador que diz ‘aqui mando eu’.” completou.

Continua após a publicidade

O Fortaleza, portanto, é a grande referência de um fenômeno que vem se consolidando em todas as divisões: a evolução do futebol nordestino. Na Série A, há quatro representantes (Ceará, Bahia e Sport são os outros), 1/5 do total. Na Copa do Brasil, os resultados foram significativos, com seis equipes classificadas para as oitavas de final: ABC (RN), Bahia e Vitória (BA), Fortaleza (CE), Juazeirense (BA) e CRB (AL). A equipe cearense foi a única a avançar à semifinal (foi goleado por 4 a 0 na primeira partida pelo Atlético-MG). Recentemente, três clubes cearenses subiram da Série D para a C: ABC, Atlético-CE e Campinense

Fortaleza teve a segunda melhor média de público em 2019, último Brasileirão com casa cheia
Fortaleza teve a segunda melhor média de público em 2019, último Brasileirão com casa cheia Ronaldo Oliveira/Photo Premium/World Press Photo

O nome do jogo é austeridade. O desafio financeiro se tornou ainda maior em razão da pandemia do novo coronavírus, que atingiu em cheio a principal fonte de receitas dos clubes: a presença dos torcedores que costumam lotar os estádios. Em 2019, o Fortaleza teve a segunda maior média de público (32 999), atrás apenas do líder Flamengo (55 000). Com patrocínios e cotas de TV inferiores aos vizinhos ao sul e com a decisão de seguir honrando seus compromissos, não restou outra alternativa a não ser enxugar os elencos.

“Tivemos de compensar essa perda com algumas negociações, afirmou o presidente do Fortaleza, Marcelo Paz, a PLACAR. “Montamos um elenco praticamente a custo zero, com jogadores em fim de contrato, emprestados. As passagens de fase na Copa do Brasil ajudaram o time a seguir neste caminho da responsabilidade financeira”, completa. O clube conta hoje com atletas experientes, como Lucas Lima, Yago Pikachu e Wellington Paulista. Lucas Crispim, revelado pelo Santos, é um dos destaques da campanha, com sete assistências (é o vice-líder do quesito, atrás apenas de Gustavo Scarpa, do Palmeiras, com nove.

O título deste ano parece um sonho distante, já que o Atlético Mineiro abriu 11 pontos de vantagem, mas a vaga direta na Libertadores, garantida aos quatro primeiros colocados, já é um objetivo bastante palpável. A animação é tamanha que Vojvoda disse ainda acreditar até numa reação na semifinal da Copa do Brasil, na qual precisa vencer o Galo por cinco gols de diferença para avançar de forma direta.

“Tenho um grupo de jogadores que mostram que querem melhorar, superar seu nível e, hoje, mostraram que a derrota para o Atlético-MG foi devido às circunstâncias que tem no futebol”, disse, no último sábado 23. “Nós enfrentamos todas as partidas com o máximo de responsabilidade e com máxima motivação. Nós fizemos o mesmo no Campeonato Cearense e será sempre assim. O jogador de futebol, o profissional, tem que ter essa mentalidade e encarar cada partida como a mais importante”, completou. 

 

 

Continua após a publicidade

Publicidade