ASSINE PLACAR DIGITAL NO APP POR APENAS R$ 6,90/MÊS

Onde tudo começou: aos 43, Buffon retorna ao Parma, na Série B italiana

Lendário goleiro italiano retorna à equipe após 20 anos; segundo imprensa local, o veterano ainda sonha bater um recorde na Copa do Mundo de 2022

Por Da Redação Atualizado em 23 set 2021, 19h16 - Publicado em 17 jun 2021, 11h10

Consagrado como um dos maiores goleiros de todos os tempos, Gianluigi Buffon voltará às origens, para encerrar a carreira onde tudo começou. Aos 43 anos, o ídolo do futebol italiano anunciou seu retorno ao Parma, clube pelo qual brilhou no fim da década de 1990, antes de se transferir par a Juventus. A equipe, que na última temporada caiu novamente para a Série B, exaltou o retorno do “Super-Homem”, como Buffon era conhecido em Parma.

Assine a revista digital no app por apenas R$ 8,90/mês

“Ele está de volta à casa” e “vamos continuar nos divertindo #supermanreturns”, foram algumas das postagens do clube, que chegou a conquistar títulos e brilhar no cenário italiano e europeu na década de 1990, com a passagem de outros ídolos além de Buffon, como Fabio Cannavaro, Liliam Thuram, Hernán Crespo, Faustino Asprilla, entre outros.

Buffon chegou à base do Parma em 1991 e estreou pela equipe em 19 de novembro de 1995, diante do Milan, sendo escolhido o melhor jogador da partida, aos 17 anos, no estádio Ennio Tardini. Em 220 jogos pela equipe, Buffon conquistou a Copa da Italia e Suércopa da Itália de 1999 e também a Copa da Uefa (atual Liga Europa) de 1999. Em 2001, “Gigi”, como é conhecido, se transferiu à Juventus, pelo qual conquistou dez títulos da Série A italiana, além de uma Série B.

Buffon assinou contrato com o Parma até junho de 2023, quando terá 45 anos. Segundo o jornalista Fabrizio Romano, da Sky Sports, Buffon ainda mantém o sonho de disputar a Copa de 2022, ainda que como terceiro goleiro, o que faria dele o único atleta a participar de seis Mundiais, ultrapassando o alemão Lothar Matthaus e o mexicano Antonio Carbajal. Buffon foi reserva em 1998 e titular em 2002, 2006, 2010 e 2014. Ele poderia ter se isolado como recordista em 2018, mas a Itália não se classificou para o Mundial da Rússia.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade