CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS

Números, rendimento e sombra de Jesus: o início de Paulo Sousa no Flamengo

Pressionado por declarações do compatriota, técnico perdeu partidas importantes e ficou com dois vice-campeonatos em cinco meses

Por Guilherme Azevedo Atualizado em 9 Maio 2022, 12h16 - Publicado em 9 Maio 2022, 11h49

Contratado para promover uma reconstrução no  Flamengo após um 2021 sem brilho, o técnico português Paulo Sousa chegou ao Rio sob otimismo da torcida ao deixar a seleção polonesa e a possibilidade de disputar a Copa do Mundo. No Rio de Janeiro, uma forte exigência por bom futebol e títulos faz um trabalho de 66,6% de aproveitamento parecer ruim. Apesar dos bons números, o desempenho é abaixo do esperado e é agravado por uma pressão causada por declarações do ex-treinador do clube Jorge Jesus, ídolo na Gávea em razão dos troféus conquistados em 2019.

Assine #PLACAR digital no app por apenas R$ 6,90/mês. Não perca

Ao pisar no Ninho do Urubu, Paulo Sousa se deparou com um elenco de extrema qualidade, mas com peças já envelhecidas. Destaques na temporada que terminou com títulos de Libertadores e Brasileirão, nomes como Diego Alves, Filipe Luís, Diego Ribas e Everton Ribeiro já não rendem como antes. Além disso, Gerson, Pablo Mari e Rafinha deixaram o plantel. Mesmo assim, os anos de 2020 e 2021 também registraram bons reforços, como Thiago Maia, Andreas Pereira, Pedro e David Luiz. Os jogadores, contudo, tampouco convencem.

Para reforçar o elenco, a diretoria rubro-negra fez algumas contratações para este ano. Chegaram os zagueiros Pablo, Fabrício Bruno, o goleiro Santos, o lateral Ayrton Lucas e o atacante Marinho. Com mais peças, Paulo busca aplicar o próprio modelo de jogo e as dificuldades de rendimento são claras.

Futebol abaixo, números bons

À beira do campo em 24 partidas do Flamengo, Paulo Sousa venceu 14, empatou seis e perdeu quatro: aproveitamento de 66,6%. Apesar dos bons números, as derrotas foram pesadas e em jogos grandes. Três delas aconteceram em clássicos, duas contra o Fluminense (uma na final do Campeonato Carioca) e outra para o Botafogo, recentemente. Um dos empates da lista culminaram num vice-campeonato nos pênaltis, na Supercopa do Brasil, frente o Atlético Mineiro.

Continua após a publicidade

A questão que mais pesa contra Paulo Sousa é o futebol praticado. Mesmo com um ataque eficiente (46 gols marcados em 24 jogos) e uma defesa que tem média inferior a um gol sofrido por jogo (0,9), a torcida não está convencida. Em situação confortável na Libertadores (três vitórias e um empate em quatro jogos), o início de Campeonato Brasileiro é ruim e a realidade é a 14ª posição, a dois pontos do Ceará, 17º, que tem uma partida a menos.

Dentro de campo, questões pesam contra o português. Sem definição quanto o goleiro titular, alternando entre Hugo Souza e Santos, a defesa não fica ilesa há cinco partidas. O revezamento também é simultâneo a um aumento de falhas do jovem goleiro, que já não consta mais na lista de “preferidos” dos torcedores. A insistência em usar Bruno Henrique muito próximo à linha lateral de campo também pesa nas análises. Distante de Gabriel Barbosa, o atacante tem três gols e quatro assistências em 15 jogos no ano. Média inferior em comparação às três temporadas passadas no Flamengo.

Jesus de olho

Jorge Jesus, ex-treinador do Flamengo, no Ninho do Urubu
Jorge Jesus, ex-treinador do Flamengo, no Ninho do Urubu Eduardo Monteiro/.

Como se não bastasse a pressão da torcida após dois vice-campeonatos e um futebol nada convincente, Jorge Jesus apareceu como “fantasma”. Durante controversa entrevista ao Uol, o ex-rubro-negro relatou desejo de voltar ao clube, revelou detalhes de suposta negociação e criticou o futebol apresentado pela equipe de Paulo Sousa.

As declarações incendiaram a torcida flamenguista, que entoou cantos pedindo a volta de Jorge Jesus durante derrota contra o Botafogo, no último domingo, 8. Paulo Sousa, em entrevista coletiva, mandou recado ao conterrâneo e ironizou a perda do título do Mundial de Clubes de 2019, diante do Liverpool, ao citar Paulo César Carpegiani, o treinador campeão mundial com o Flamengo em 1981. “Respeito aquilo que o Jorge foi em 2019 no Flamengo. Mas também temos que respeitar Carpegiani, que conquistou o Mundial. Só peço a Deus que abençoe a família dele, sucesso, saúde e paz”.

Já de volta a Portugal após dias no Brasil, Jorge Jesus se contradisse. Ainda no aeroporto, afirmou que não volta a trabalhar no país neste momento. Enquanto isso, o Flamengo precisa driblar crises de bastidores, rendimentos e resultados, potencializadas pelas declarações do técnico.

Ainda não assina Star+?! Clique aqui para se inscrever e ter acesso a jogos ao vivo, séries originais e programas exclusivos da ESPN!

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Impressa + Digital no App

a partir de R$ 14,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital no App

a partir de R$ 9,90/mês