CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS

Messi x Lewandowski: rivalidade ganhará novo capítulo na Copa do Catar

Estrelas de Argentina e Polônia dividiram prêmios de melhor do mundo em 2021 — e por isso lutarão contra 'maldição' no Mundial

Por Da redação Atualizado em 1 abr 2022, 17h18 - Publicado em 2 abr 2022, 08h00

Argentina e Polônia farão uma das partidas mais aguardadas da primeira fase da Copa do Mundo do Catar, não apenas pois valerá pela terceira e decisiva rodada do grupo C, mas, sobretudo, pela presença de dois craques em campo: Lionel Messi e Robert Lewandowski. O argentino do PSG e o polonês do Bayern de Munique faturaram os prêmios de melhor do mundo em 2021 (Bola de Ouro e Fifa The Best, respectivamente). A disputa individual gerou uma inesperada rivalidade: Lewandowski se disse injustiçado na premiação francesa e chegou a fazer críticas a Messi. Esta história poderá ser tirada a limpo em 30 de novembro, em Doha.

Assine #PLACAR digital no app por apenas R$ 6,90/mês. Não perca!

A confusão teve início em novembro de 2021, quando Lionel Messi recebeu o prêmio oferecido desde 1956 pela revista France Football. Ao receber sua sétima Bola de Ouro, o argentino prestou uma homenagem ao polonês, que era o favorito de 2020, mas foi prejudicado pelo cancelamento do prêmio em razão da pandemia de Covid-19. “Quero dizer a Robert (Lewandowski) que é uma honra disputar com ele, todos concordamos que ano passado ele merecia essa Bola de Ouro, então espero que a France Football te entregue esse prêmio”.

À época, em entrevista ao canal Sportowym, Lewandowski se disse honrado em disputar um prêmio com Messi, mas já duvidava da sinceridade do argentino. “Gostaria que fosse uma declaração sincera de um grande jogador e não apenas palavras. Claro, não quero ficar orgulhoso ou entusiasmado, mas, como disse, há toda uma eleição baseada em tudo o que está sendo feito. Já estou focado em outra coisa, mas estar tão perto e ao mesmo tempo tão longe deixa esse sentimento tão amargo. Tudo o que eu carrego pode demorar um pouco para passar”, afirmou, admitindo abatimento por não faturar a Bola de Ouro.

Lewandowski e Messi podem repetir disputa em janeiro, no The Best -
Lewandowski levou o prêmio da Fifa, mas Messi ficou com a Bola de Ouro – Montagem/Getty Images
Continua após a publicidade

A relação azedou de vez em fevereiro quando Lewandowski venceu pelo segundo ano seguido o The Best. Ele disse considerar o prêmio da Fifa mais justo e ironizou o fato de Messi não ter votado nele. Como capitães de suas seleções, ambos tinham direito a voto. “Eu votei em Messi porque aprecio o que ele fez este ano e antes. Messi disse que votaria em mim para a Bola de Ouro, seu ponto de vista mudou depois? Não sei. Não tenho queixas, ele tomou sua decisão e é isso. De qualquer forma, ganhei o prêmio, então foi mais fácil para mim aceitá-lo”, disse.

“Cheguei à conclusão de que o prêmio da Fifa é mais importante. Só os jornalistas votam na Bola de Ouro, não há uma verificação clara. Em vez disso, os profissionais do futebol e a imprensa votam na Bola de Ouro ou os capitães e treinadores de cada seleção podem avaliar nossas atuações de forma mais realista e objetiva, pois sabem quanto cada jogo, cada recorde, cada lesão nos custa”, concluiu o camisa 9.

Desde então, ambos evitaram o tema. Em campo, Messi e Lewa se enfrentaram poucas vezes, com vantagem para o polonês: duas vitórias e uma derrota, com dois gols para cada, sempre em duelos entre Barcelona e Bayern de Munique pela Liga dos Campeões. No mais recordado deles, a equipe alemã atropelou o Barcelona por 8 a 2 nas quartas de final da Liga dos Campeões. O duelo no Catar, portanto, será o primeiro entre eles por seleções.

Messi e Lewandowski, aliás, dividem uma espécie de “maldição”. Até hoje, nenhum atleta que iniciou a Copa do Mundo na condição de melhor do mundo conseguiu erguer o troféu. As últimas vítimas foram Cristiano Ronaldo, melhor do mundo em 2013 e 2017, Messi, melhor do mundo em 2009, Ronaldinho Gaúcho, melhor do mundo em 2005, Luis Fígo e Michaek Owen (que venceram prêmio da Fifa e Bola de Ouro, respectivamente, em 2001), Ronaldo em 1997 e Roberto Baggio em 1993.

Ainda não assina Star+?! Clique aqui para se inscrever e ter acesso a jogos ao vivo, séries originais e programas exclusivos da ESPN!

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Impressa + Digital no App

a partir de R$ 14,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital no App

a partir de R$ 9,90/mês