CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS

Lazio x Amazon: trecho sobre fascismo em ‘Maradona’ revolta clube italiano

Constantemente associada a Mussolini por gestos de seus torcedores mais radicais, equipe de Roma exigiu que trecho de série seja cortado

Por Da Redação Atualizado em 8 nov 2021, 18h57 - Publicado em 8 nov 2021, 18h56

A Lazio voltou a se envolver em controvérsia envolvendo fascismo. O tradicional clube italiano emitiu no último domingo, 7, uma nota de protesto solicitando que o serviço de streaming Amazon Prime retire do ar o trecho da série  Maradona: Conquista de um Sonho em que o personagem do ídolo argentino se refere à equipe romana como ‘’os fascistas’’. O clube considerou o conteúdo como falso, ‘’difamatório’’ e ‘’fora da realidade do pensamento” de Diego Armando Maradona.

Black Friday Abril: Assine #PLACAR digital no app por apenas R$ 6,90/mês. Não perca!

A produção da Amazon Prime estreou no último dia 29 de novembro, e tem como roteiro mostrar a carreira e a vida do emblemático e polêmico ídolo mundial, o argentino Diego Maradona, que morreu no ano passado, aos 60 anos. No episódio 6 da série, antes de uma partida entre Lazio e Napoli, o personagem de Maradona diz “Hoje, esses fascistas querem nos humilhar”.

Na nota, a Lazio afirma “Deixamos o público julgar a qualidade da série “Maradona” do Amazon Prime. Certamente, porém, podemos definir como ridículos aqueles poucos segundos que vimos, nos quais de forma totalmente arbitrária palavras que ele nunca pronunciou são atribuídas ao campeão argentino: ” Esses fascistas querem nos humilhar”. A Lázio na época certamente não estava em condições ideais para impedir uma equipe de lutar pelo Scudetto. Muito menos para humilhá-la. E depois a referência ao fascismo é ainda mais odiosa, porque é evocada com uma clara intenção difamatória. ‘’

‘’Conseguiram o resultado extraordinário de insultar um torcedor e um clube, afastando-nos da realidade e também do pensamento do próprio Maradona, que em várias ocasiões se mostrou amigo da Lazio: foi convidado em Formello, cantou nosso hino e trocou camisetas com nossos jogadores. Faremos valer nossos direitos ao Amazon Prime e aos autores, ao diretor e aos roteiristas, pedindo, no que nos diz respeito, que uma cena tão improvável quanto dolorosa, que carece de respeito pela Lazio e da memória de um grande campeão, seja cortada.’’ completou o clube.

A Lazio é constantemente associada ao fascismo. O episódio mais recente aconteceu no mês passado, quando o espanhol Juan Barnabé, treinador de águia, animal símbolo do time, foi suspenso após ser flagrado em um vídeo fazendo saudação alusiva ao ditador Benito Mussolini. O profissional prestava serviços para o time de Roma ao adestrar o animal que costuma passear pelo estádio Olímpico.

Continua após a publicidade

No registro, os torcedores repetem o gesto de Bernabé, além de entoarem gritos em favor de Mussolini. Na ocasião, ele foi questionado pelo jornal romano Il Messaggero, se não se sentia fascista por gritar “Duce”, como era chamado Mussolini, Bernabé manteve a postura. “É verdade, eu fiz e não renego, porque admiro Mussolini, fez tantas grandes coisas pela Itália, assim como Franco fez para a Espanha. Sou um admirador de ambos, com orgulho”, afirmou na ocasião.

São recorrentes os registros de cantos ou gestos fascistas por parte de torcedores da Lazio. Há quatro anos, alguns ultra, como são chamados os torcedores mais radicais, deixaram uma montagem espalhada pelo estádio Olímpico que mostrava Anne Frank, judia alemã que permaneceu por quase dois anos escondida durante a segunda guerra mundial. Ela usava a camisa da Roma para insultar os rivais.

Em 2019, antes de uma partida contra o Milan, pela Copa da Itália, os mesmos torcedores exibiram uma faixa em homenagem a Mussolini, além de entoarem canções de apoio: “honra a Benito Mussolini” e erguerem o braço direito, conhecida saudação fascista.

No último ano, ganhou repercussão internacional o fato de Romano Floriani Mussolini, bisneto de Benito Mussolini, ter sido promovido ao time sub-19. A notícia ganhou especial repercussão pelo fato de a ala mais conhecida da torcida organizada da Lazio ser constantemente ligada a grupos de extrema-direita. O jovem disse à época não se interessar por política e tentou minimizar a importância de seu parentesco com Il Duce.

Romano atua como lateral-direito e já fazia parte das categorias de base há alguns anos. Ele é filho de Alessandra Mussolini, neta de Benito, e uma famosa apresentadora e política de direita.

Benito Mussolini foi o líder da Itália entre 1922 e 1943. Considerado o criador do fascismo, se aliou a Alemanha nazista de Adolf Hitler durante a Segunda Guerra Mundial. A política dos dois ditadores se baseava na promoção de crenças sobre superioridade racial, xenofobia e imperialismo, e ambos utilizaram o esporte como forma de propaganda político-ideológica.

Ele jamais declarou torcida por um time específico, mas é constantemente ligado à Lazio, do qual foi sócio honorário, à Roma, que ajudou a fundar, e ao Bologna, clube que dominou o futebol italiano durante o auge do Fascismo. O ditador foi capturado por guerrilheiros da Resistência Italiana e fuzilado em 28 de abril de 1945. Ele e sua companheira Clara Petacci tiveram seus corpos expostos em praça pública, em um posto de gasolina em Milão.

Continua após a publicidade

Publicidade