Clique e receba em casa a partir de R$ 14,90/mês

Inglaterra x Escócia: a história do pai de todos os clássicos

Confronto desta sexta pela Eurocopa remete aos primórdios do esporte, uma rivalidade que extrapola as quatro linhas há quase 150 anos

Por Guilherme Azevedo Atualizado em 23 set 2021, 19h14 - Publicado em 18 jun 2021, 11h03

“O futebol está voltando para casa”, tem sido o lema da torcida britânica nesta Eurocopa e fará ainda mais sentido nesta sexta-feira, 18.  Inglaterra e Escócia se enfrentam pelo grupo D da Eurocopa, a partir das 16h, no estádio de Wembley, em Londres. O jogo que pode valer a classificação para os ingleses, é cercado por enorme rivalidade, a mais antiga do esporte, já que o primeiro duelo entre os pais do futebol profissional ocorreu há quase 150 anos. 

Assine a revista digital no app por apenas R$ 8,90/mês

O futebol tem raízes em diversas manifestações culturais. Bolas já eram chutadas na China por volta de 2.500 a.C e a partir do século XVI, o calcio storico, criado em Florença, na Itália, impulsionou a popularidade de jogos com o pé. No entanto, o jogo como conhecemos hoje é de autoria britânica e sua história se confunde com a do próprio Reino Unido de meados do século XIX, onde o esporte foi ganhando terreno em escolas e universidades até a sua oficialização, em 26 de outubro de 1863, quando foi fundada a Football Association, a federação inglesa, e com ela as primeiras regras unificadas do jogo. 

Camisa da Inglaterra de 1872 no Museu do Futebol de Manchester
Camisa da Inglaterra de 1872 no Museu do Futebol de Manchester Luiz Felipe Castro/VEJA

Nove anos depois, em 30 de novembro de 1872, Escócia e Inglaterra fizeram a primeira partida de seleções na história, um empate em 0 a 0, no estádio de críquete West of Scotland, na cidade escocesa de Partick, diante de mais de 4.000 torcedores. O público, na época, pagou 5 centavos de libras para poder entrar. Hoje, levando em conta a inflação e a conversão, a entrada custaria 40 reais. 

Há um século e meio, o futebol era completamente diferente do que será jogado por estrelas como Harry Kane e Andrew Robertson. Das regras às táticas, muita coisa mudou. Trecho do livro A Pirâmide Invertida: a história tática do futebol, de Jonathan Wilson detalha a primeira partida de futebol entre seleções: a escalação da Inglaterra tinha um ‘gol’, um ‘zagueiro três-quartos’, um ‘zagueiro médio’, um ‘chute voador’, quatro jogadores chamados apenas de ‘meio’, dois de ‘lado esquerdo’ e um de ‘lado direito’; o que, aplicando-se registros modernos, soaria como algo próximo de um 1- 2-7.”

Historiadores, que analisaram fontes da época, afirmam que a ideia de um confronto entre as equipes nacionais existe desde 1870. Inclusive, antes da estreia oficial, teria havido cinco duelos informais, sem súmula ou registros, entre Inglaterra x Escócia. A partir da primeira partida válida, as equipes já se enfrentaram 116 vezes, com um surpreendente equilíbrio: 50 vitórias da Inglaterra, 41 da Escócia e 25 empates.

Entre 1872 e 1989, ao menos um Inglaterra x Escócia acontecia em toda primavera, na maioria das vezes pela British Home Cup, torneio entre delegações do Reino Unido, extinto em 1984. Entre essas centenas de partidas, algumas delas são históricas, como o 5×1 escocês aplicado em pleno Wembley, em 1928.

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Inglaterra x Escócia
Empate em 2 a 2 em clássico de 1923 no Hampden Park, em Glasgow Allsport Hulton/Archive/Getty Images

O“English Team” também aplicou algumas goleada como o placar mais elástico do confronto: em 1961, a Inglaterra venceu a Escócia por 9 a 3. Uma das mais marcantes partidas desta história aconteceu em 1967. Na ocasião, a seleção inglesa era atual campeã da Copa do Mundo e completava 19 jogos sem perder. Porém, a seleção escocesa acabou com a festa: vitória por 3 a 2 em Wembley.

England play Scotland at football, at Bramall Lane, Sheffield, in 1903. Vivian Woodward for
Gol de cabeça do inglês Vivian Woodward, em Clássico em Sheffield, em 1903. PA Images/Getty Images

Rivalidade extracampo

Se o primeiro jogo entre eles aconteceu há quase 150 anos, as divergências políticas começaram há mais de 700. Em 1295, a Escócia vivia instabilidade e disputa pelo trono, e a coroa acabou tomada pelos ingleses. Os escoceses foram independentes até 1707, quando, após pressão de sanções econômicas por parte inglesa, o Tratado de União anexou politicamente o Reino da Escócia ao da Inglaterra.

Os debates políticos perduram desde então. No fim do século XX, a Escócia adquiriu maior liberdade governamental. Contudo, a vontade de uma “separação” passa de geração por geração e, nos dias atuais, chegou a ir para votação popular. Em 2014, o “não” para a saída do Reino Unido venceu. Em 2020, a Primeira-ministra escocesa Nicola Sturgeon acenou à população que pedirá um segundo referendo para a independência.

É diante deste cenário que as duas equipes entram campo nesta tarde. O “English Team” entra como favorito, pois conta com uma geração promissora e referências nas maiores ligas do mundo. Do lado da Escócia, a vitória é sinal de reação. Após perder a primeira partida contra a República Checa, em um jogo com muitas chances desperdiçadas, pontuar contra os ingleses seria um êxito para o time liderado por Robertson, do Liverpool.

Confira as prováveis escalações:

Inglaterra: Pickford, Walker, Stone, Mings, Shaw; Rice, Phillips, Mount; Sterling, Grealish e Kane.

Escócia: Marshall, Hendry, Hanley, Tierney; Forrest, McGinn, McTominay, McGregor, Robertson; Armstrong e Adams

Harry Kane em clássico contra a Escócia em 2017
Harry Kane em clássico contra a Escócia em 2017 Craig Williamson – SNS GroupSNS/Getty Images
Continua após a publicidade

Continua após a publicidade
Publicidade