CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS

FOTOS: a euforia em BH com o título brasileiro do Atlético Mineiro

Milhares de atleticanos se reuniram na sede do clube, entoaram gritos contra Flamengo e Cruzeiro e foram à loucura com a virada na Bahia

Por Guilherme Azevedo Atualizado em 3 dez 2021, 08h23 - Publicado em 2 dez 2021, 21h07

Milhares de atleticanos fizeram valer o estigma de “Galo Doido” pelas ruas de Belo Horizonte. A capital mineira viveu uma quinta-feira, 2, de loucura e euforia com o bicampeonato brasileiro do Atlético Mineiro numa festa sem hora para acabar. Na verdade, a farra já estava pronta desde o início da semana, mas teve de ser adiada em dois dias devido a uma vitória do Flamengo. Hoje o grito saiu da garanta, após triunfo mineiro por 3 a 2 sobre o Bahia, em Salvador, com direito a muita cerveja, provocação aos rivais, lágrimas e foguetório.

Black Friday Abril: Assine #PLACAR digital no app por apenas R$ 6,90/mês. Não perca!

Desde cedo, só se viam camisas e bandeiras alvinegras pela cidade. A maior reunião de torcedores se deu no bairro de Lourdes, em frente à sede do Atlético. O calor e a apreensão pediam cerveja gelada, que não faltou. O local começou a lotar cerca de uma hora antes da partida, que começou cedo, às 18h. O tradicional boneco do super-herói verde Hulk, em alusão ao ídolo e artilheiro do campeonato, se fez presente e animou a galera.

O jogo foi dramático e, assim que o Bahia abriu 2 a 0, houve minutos de silêncio e preocupação. Mas quando um grupo já ensaiava o tradicional grito de “Eu acredito”, Hulk e Keno (duas vezes) garantiram a apoteose alvinegra. Canções de provocação ao Cruzeiro e ao Flamengo deram o tom, antes do engasgado coro de “é campeão!”.

Um torcedor que, aos berros, garantia “Vamos virar” diante do resultado adverso, foi aos prantos e se lembrou da mãe após a conquista. “Eu não sei o motivo da senhora ter me feito torcer para esse time, só para eu sofrer mesmo. E como eu sofro. Mas isso é Galo!”. A festa do campeão vai varar a madrugada. Os torcedores aguardarão a chegada dos atletas, que desfilaram em carro do Corpo de Bombeiros, da região da Pampulha até a Praça Sete de Setembro.

O jogo acabou por volta de 20h. Às 22h, “Praça Sete” já estava lotada. Todas as suas avenidas de entrada acumulavam um congestionamento de pessoas. Pequenos tumultos aconteciam quando algumas pessoas ateavam bombas no meio do público ou manuseavam fogos de artifício de maneira inadequada. Algumas pessoas ficaram feridas por imprudência.

Continua após a publicidade

Sem confirmação oficial, o assunto que circulava entre a imprensa era de um público maior que 100.000 pessoas para festejar o bicampeonato brasileiro. DJ’s e uma banda de rock antecederam o vocalista de axé Bell Marques, que entrou subiu no palco pouco após as 2h da manhã. Torcedor assumido do Bahia, inflamou a torcida atleticana, cantando músicas e abrindo brechas para provocações aos rivais Flamengo e Cruzeiro.

A ansiedade, porém, era para a chegada do elenco campeão. Foram horas de espera, até que por volta de 4h da madrugada, o carro de bombeiros chegou à festa. Aclamados, os atletas passaram entre profissionais de imprensa, mas preferirem seguir comemorando do que qualquer entrevista.

Veja VÍDEOS da festa atleticana:

 

Continua após a publicidade

Publicidade