ASSINE PLACAR DIGITAL NO APP POR APENAS R$ 6,90/MÊS

Fim da novela: Paris Saint-Germain oficializa acordo com Lionel Messi

Clube francês acerta com argentino por duas temporadas, que terá um time ‘galáctico’ com Neymar, Mbappé, Sergio Ramos, Donnarumma e outras estrelas

Por Da Redação Atualizado em 23 set 2021, 17h55 - Publicado em 10 ago 2021, 11h13

Depois de 17 temporadas, 35 troféus conquistados, 778 jogos realizados e 672 gols marcados pelo Barcelona, Lionel Messi, oficialmente, veste outro azul-grená. Embalado por publicações durante todo o dia com referências diversas ao jogador como bandeiras da Argentina, Bolas de Ouro, uma ampulheta indicando o tempo e a expressão de “novo diamante”, o Paris Saint-Germain oficializou o acordo no fim da tarde desta terça-feira, 10, com o argentino eleito por seis vezes o melhor do mundo pela Fifa. Aos 34 anos, Messi assinou um contrato por duas temporadas, com opção de renovação por mais um, estimado em 35 milhões de euros (215 milhões de reais).

Assine a revista digital no app por apenas R$ 8,90/mês

Messi chegou a Paris às 10h34 (de Brasília). A primeira aparição pública ocorreu ao acenar para torcedores, ainda no aeroporto de La Bourget, usando uma camisa com o lema do PSG no peito: “isso é Paris”.

Antes mesmo disso, pessoas próximas ao jogador já haviam dado todos os indícios e confirmações possíveis do novo ciclo. A primeira partiu do próprio pai e agente, Jorge Messi, que afirmou a jornalistas presentes ao aeorporto de El Prat, de Barcelona, que as partes haviam chegado a um entendimento.

Momentos antes, Kalifah Bon Hamad Al-Thani, membro da realeza do Catar e parente de Nasser Al-Khelaife, proprietário do clube francês, também disse pelas redes sociais que as bases estavam “100% acertadas” com o jogador. Neymar, pelo Instagram, publicou uma imagem dos tempos de Barcelona, onde atuaram juntos entre 2013 e 2017, dizendo: “back together” (juntos novamente, na tradução).

A esposa do jogador, Antonella Roccuzzo, ainda escreveu: “com tudo para uma nova aventura junto os cinco”, em referência ao casal e aos três filhos enquanto estavam no avião rumo a Paris.

Ao desembarcar em Le Bourget, no norte de Paris, foi recepcionado por centenas de torcedores que desde domingo passaram a ser presença constante no local, destinado somente a voos privados e executivos. A polícia precisou intervir com grande operação e a instalação de gradis para controlar um potencial tumulto.

Torcedores lotam o pequeno aeroporto de Le Bourget -
Torcedores lotam o pequeno aeroporto de Le Bourget – Sameer Al-Doumy/AFP

Com a expectativa do anúncio oficial, uma outra parcela de torcedores se deslocou e passou a lotar, também, as imediações do Parque dos Príncipes esperando ver o argentino.

Parisienses também lotearam as imediações do Parque dos Príncipes -
Parisienses também lotearam as imediações do Parque dos Príncipes – Sameer Al-Doumy/AFP

Antes da assinatura contratual, Messi passou por exames no Hospital Americano de Neuilly. Na sequência, partiu para o estádio do clube para a consolidação do negócio. No período, vazaram as primeiras imagens do jogador com a camisa 30 e o uniforme da nova equipe.

Nos bastidores, o clube já havia programado desde segunda, 9, o que nomeou como “Messi Day”, termo que batizou a parte final da operação envolvendo o jogador por seis vezes eleito o melhor do mundo pela Fifa e viralizou nas redes sociais. Messi, contudo, ainda preteriu viajar um dia depois de se despedir emocionado do Barcelona, no último domingo, 8.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Desde que a chegada se tornou iminente, centenas de torcedores franceses também passaram a ser figuras presentes em diversos locais da cidade. A motivação se deu pela publicação do L’Equipe, que indicava que a chegada poderia acontecer acontecer já entre domingo e segunda-feira.

Torcedores do PSG eufóricos pela chegada de Messi -
Torcedores do PSG eufóricos pela chegada de Messi – Zakaria Abdelkafi/AFP

Um avião com destino inicial de Barcelona chegou a pousar no local, causando grande confusão e a necessidade de apoio policial. Horas depois, em foto publicada por Antonella Roccuzzo, foi possível vê-los ainda em Barcelona ao lado do antigo companheiro, o uruguaio Luis Suárez, e de amigos particulares.

Internamente, o clube parisiense sempre manteve tom otimista. Preparou ao jogador uma espécie de entrada triunfal no Parque dos Príncipes e, principalmente, um encaixe salarial, com a ajuda de um escritório particular de advocacia, para que pudesse atender as exigências do Fair Play financeiro imposto pela Fifa já que contratou recentemente nomes de peso como o goleiro italiano Gianluigi Donnarumma, o zagueiro espanhol Sérgio Ramos, o lateral esquerdo marroquino Acharaf Hakimi e o meio-campista holandês Georgino Wiljnaldum.

Mesmo com tudo certo, torcedores do clube catalão ainda se animaram com a possibilidade de uma reviravolta depois de uma informação de que o presidente Joan Laporta teria enviado uma última proposta para convencer o argentino. A informação foi divulgada pelo site espanhol La Portería.

Com isso, barcelonistas inundaram as redes sociais com a hashtag MessiQuedate, que significaria a permanência do jogador. “Nenhuma torcida vai te amar como nós te amamos”, disse um dos perfis. “Nada a perder e tudo a ganhar”, publicou outro. Pela manhã, no entanto, funcionários do Barcelona tiraram cartazes que estavam enormes foto de Messi ao lado de Gerard Piqué e Antoine Griezmann.

Funcionários do Barcelona removem cartaz com imagem de Messi -
Funcionários do Barcelona removem cartaz com imagem de Messi – Pau Barrena/AFP

O clube francês seguiu em tom enigmático, apesar de continuar dando mais indícios. Primeiro, confirmou entrevista coletiva para esta quarta-feira, às 10h local (6h de Brasília). Posteriormente, publicou outro vídeo curto nas redes sociais, com as seis bolas de ouro a frente da torre Eiffel, símbolo da cidade e do clube.

Diante da saída do maior ídolo da história do clube, associados do Barcelona entraram com uma queixa junto ao Tribunal Europeu de Apelação para impedir a contratação do PSG. O advogado Juan Blanco publicou nas redes sociais o documento dizendo que não há compatibilidade financeira para o anúncio.

“É inconcebível que o Fair Play Financeiro sirva para agravar a evolução dos negócios no futebol, a instrumentalização do futebol por poderes soberanos e a distorção das competições”, explica em um trecho.

No PSG, Messi usará a camisa 30, quase sempre utilizada por goleiros. Segundo o jornal espanhol Marca, o jogador não aceitou a cessão do número 10 por Neymar, antigo companheiro no Barcelona e seu amigo pessoal.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade