Clique e receba em casa a partir de R$ 14,90/mês

Crise na Juventus: o tamanho do prejuízo caso time fique fora da Champions

Clube de Turim já não tem mais a hegemonia local e agora pode perder Cristiano e milhões de euros; Pirlo avisa que não pedirá demissão

Por Da Redação Atualizado em 23 set 2021, 19h56 - Publicado em 10 Maio 2021, 10h58

A derrota por 3 a 0 da Juventus para o Milan, no Allianz Stadium, em Turim, pela 35ª rodada do Campeonato Italiano, provocou o agravamento de uma crise que parece sem fim na equipe alvinegra. Hegemônica no país nos últimos anos – venceu nove títulos consecutivos da Série A antes de perder a coroa este ano para a Inter de Milão – o clube de Turim corre riscos concretos de não se classificar para a principal competição europeia. Até mesmo a demissão do técnico Andrea Pirlo, a três rodadas do fim do torneio, é cogitada.

A Juventus terminou a rodada na quinta colocação, com 69 pontos, na zona de classificação para a Liga Europa. A Atalanta é a vice-líder, com 72 pontos, mesma pontuação do terceiro colocado Milan, mas com vantagem nos critérios de desempate. A última equipe na zona de Liga dos Campeões é o Napoli, que ocupa a quarta colocação, com 70 pontos, um a mais do que a Juventus.

A decisão sobre a saída ou permanência de Pirlo será anunciada ainda nesta segunda-feira, 10. O ex-volante está em sua primeira experiência como técnico e avisou que não entregará o cargo. “Não vou pedir demissão. Abracei este trabalho com imenso entusiasmo e quero continuar. Podemos fazer melhor e temos de acabar a temporada unidos, como uma equipe. Vou continuar trabalhando enquanto me permitirem”, disse em entrevista à Sky Sports.

Andrea Pirlo pode ser demitido do cargo de técnico da Juventus -
Andrea Pirlo pode ser demitido do cargo de técnico da Juventus – Juventus/Divulgação

Pirlo não é o único que pode estar de saída. Contratado pelo clube em julho de 2018 por 100 milhões de euros, o astro português Cristiano Ronaldo tem contrato com o clube até junho de 2022, mas também pode deixar Turim antes do período, principalmente em caso de não classificação a Champions. Mesmo assim, de acordo com a Gazzetta dello Sport, atrapalharia uma negociação futura os altos valores que recebe hoje do clube.

“Por razões econômicas, mais do que técnicas: nessas condições, mesmo alguém como o CR7 não tem mercado”, registrou a publicação. O jogador é especulado para um retorno ao Manchester United e faz boa temporada: com 34 gols em 41 jogos disputados.

No último ano, pela eliminação ainda nas fases preliminares, estima-se que o Benfica tenha sofrido um prejuízo de até 70 milhões de euros (equivalente a 444 milhões de reais) em função de não receber cotas televisivas, acordos comerciais e outros ganhos por vitórias ou empates. A cada triunfo, a Uefa paga 2,7 milhões de euros (17,1 milhões de reais)

A classificação às oitavas de final ainda rende 9,5 milhões de euros, enquanto as vagas nas quartas, semi e final representam 10,5 milhões de euros , 12 milhões de euros e 15 milhões de euros, respectivamente.

Clube ‘queimado’ pela Superliga

O clube vive turbulências nos bastidores em função de seu presidente, Andrea Agnelli, ter sido um dos principais articuladores da Superliga Europeia, projeto criado por 12 clubes ricos da Espanha, Inglaterra e Itália, mas que chegou ao fim em poucos dias, no último mês, alvejado por críticas. Agnelli, na ocasião, se manifestou publicamente favorável à criação do novo formato, que faria oposição ao torneio organizado pela Uefa. A Superliga foi alvo de protestos, principalmente no Reino Unido.

Andrea Agnelli, presidente do Juventus
Andrea Agnelli, o maior alvo das críticas na Juventus Paolo Bruno/Getty Images

Neste ano, o clube perdeu o status de atual eneacampeão italiano e acabou eliminado da Liga dos Campeões pelo Porto, ainda nas oitavas de final, equipe com poder aquisitivo menor do que o da Juventus. O presidente da Federação Italiana de Futebol, Gabriele Gravina, afirmou que o clube ainda pode ser excluído da próxima edição da Série A, o Campeonato Italiano, caso não se manifeste oficialmente afastado da Superliga.

“Se a Juventus não respeitar as regras, estará fora também para nós. Ela será excluída no momento de se inscrever para a próxima edição do Campeonato Italiano, caso não tiver se retirado da Superliga”, disse Gravina.

O placar elástico para um de seus maiores rivais só não se tornou uma goleada, pois Szczesny ainda defendeu um pênalti de Franck Kessié. Mesmo com Cristiano Ronaldo em campo, a Velha Senhora pouco criou e engatou 11 partidas seguidas levando um gol. A reta final do time de Turim não vai ser fácil, já que encara Sassuolo, Inter de Milão e Bologna, além da Atalanta na final da Copa Itália, no próximo dia 19.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade
Publicidade