CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 12,90/MÊS

Coutinho é o craque da Copa até agora; melhor para Neymar

Camisa 11 foi novamente o mais lúcido e inspirado do time e tirou peso dos ombros do velho amigo e ‘sócio’ – que também evoluiu

Por Luiz Felipe Castro Atualizado em 28 set 2021, 19h08 - Publicado em 27 jun 2018, 17h12

MOSCOU – O número 10 da seleção brasileira está nas costas de Neymar, mas bem que poderia estar com seu velho amigo Philippe Coutinho. Mais uma vez, o camisa 11 foi brilhante na vitória categórica sobre a Sérvia por 2 a 0, na tarde desta quarta-feira, em Moscou. Desta vez, Coutinho não contribuiu com gol, mas com uma belíssima assistência para Paulinho (eleito o melhor em campo em votação popular da Fifa) no momento em que o clima ainda era de tensão. Ditou o ritmo, girou a bola e até contribuiu na marcação. Como nos tempos de categorias de base da seleção, foi o “sócio” ideal para Neymar e dividiu as responsabilidades e protagonismo com a maior estrela – que, justiça seja feita, também foi bem e evolui a cada partida. Ainda é cedo, o Brasil está apenas nas oitavas de final da Copa do Mundo, na qual enfrentará o México, mas essa dupla já empolga, com ginga, improviso e efetividade.

Tabela completa de jogos da Copa do Mundo de 2018

Coutinho tem exatamente a mesma idade de Neymar, 26 anos. Cria do Vasco, encarou uma mudança para a Europa mais cedo, aos 18, mas demorou a deslanchar, ao contrário do amigo, estrela desde sempre, no Santos, no Barcelona, no PSG – e na seleção brasileira, desde 2010. Coutinho é o sócio que Neymar sempre quis e de que precisou na seleção brasileira, aquele que consegue tirar coelhos da cartola, decidir os jogos e dividir a atenção dos marcadores. Como no passe por elevação que encontrou Paulinho em sua melhor jogada, a infiltração de surpresa e a finalização precisa, algo que não havia ocorrido nas outras partidas. Coutinho facilita o jogo dos colegas, especialmente de Neymar, inclusive fora de campo.

A pressão estava toda nos ombros do jogador mais caro de todos os tempos. Caso o Brasil fosse eliminado na primeira fase, o que não ocorre desde 1966, certamente Neymar, que até então apareceu mais por seu (mau) comportamento do que por seu futebol, carregaria o maior fardo – Tite, que blindou ao máximo seu camisa 10 e bancou outros contestados (deu certo com Paulinho, nem tanto com Willian e Gabriel Jesus), também seria cobrado. Neymar, no entanto, pareceu mais calmo, “domado” de alguma forma. Não reclamou com juiz, caiu poucas vezes, driblou, finalizou. Esteve novamente impreciso, mas foi um perigo constante para os sérvios. Teve seu nome gritado, recebeu o carinho de que tanto parecia se ressentir.

Thiago Silva comemora após marcar gol durante partida entre Brasil e Sérvia, válida pela terceira rodada do grupo E da Copa do Mundo - 27/06/2018
Thiago Silva, de novo, exemplar Simon Hofmann – FIFA/Getty Images

Ao lado de Coutinho, Neymar relembrou os tempos de Barcelona, quando era feliz como coadjuvante de luxo de Messi (por sinal, que quarteto eles poderiam formar, caso Neymar tivesse permanecido na Catalunha…). A amizade de longa data com o camisa 11 também evita algo que poderia ser um problema: o ciúme, como ocorria com Rivaldo e Ronaldo no penta, em 2002. Neymar e Coutinho se adoram e juntos são muito mais perigosos.

O Brasil respondeu bem à pressão que o cercava. Com 7 pontos e apenas um gol sofrido (em lance faltoso da Suíça), foi, dentre as favoritas, a mais consistente da primeira fase. Aqui, um parêntese: que Copa do Mundo faz Thiago Silva. Mais uma vez, o camisa 2 foi um líder em campo, perfeito nos desarmes, antecipações e postura, e ainda premiado com um gol. Esta pode ser a Copa de Neymar e Coutinho. E também da redenção de Thiago.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

MELHOR
OFERTA

Digital no App

a partir de R$ 9,90/mês

Impressa + Digital no App

a partir de R$ 12,90/mês