CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 12,90/MÊS

Histórico: Corinthians segura pressão e elimina Boca na Bombonera nos pênaltis

Benedetto falhou duas penalidades, Cássio brilhou e Timão igualou marca do Santos de Pelé em plena Bombonera; nas quartas, enfrentará Flamengo ou Tolima

O Corinthians obteve uma classificação heroica às quartas de final da Copa Libertadores. Em plena Bombonera, em Buenos Aires, e com uma série de desfalques, o Timão suportou a pressão do Boca Juniors e venceu nas penalidades após empate em 0 a 0 no tempo normal. Mais uma vez, brilhou a estrela do ídolo Cássio.

Assine #PLACAR digital no app por apenas R$ 6,90/mês. Não perca!

O resultado foi histórico: é a primeira vez que um clube elimina o Boca em um mata-mata da Libertadores na Bombonera desde a final de 1963 vencida pelo Santos de Pelé.

Se no jogo de ida Roger Guedes perdeu um pênalti pelo Corinthians, desta vez Darío Benedetto chutou uma penalidade na trave pelo Boca na primeira etapa. E repetiu a dose na decisão, chutando por cima de forma impressionante.

O adversário da próxima fase sai do duelo entre Flamengo e Tolima, que jogamna quarta-feira, 6, às 21h30 (de Brasília), no Maracanã. A equipe carioca venceu o jogo de ida na Colômbia por 1 a 0.

O técnico Vítor Pereira tinha uma série de desfalques importantes como o lateral-direito Fagner, os meias Maycon e Renato Augusto e o atacante Gustavo Mosquito, lesionados, além de Adson, afastado por Covid. Com tantos problemas, o time que vinha de goleada por 4 a 0 sobre o Fluminense pelo Brasileirão voltou a ser completamente dominado, especialmente na primeira etapa.

Empurrado pela torcida, o Boca assustou logo aos três minutos, quando Fabra fez boa jogada pela esquerda e parou em defesa firme de Cássio. Pouco depois, o ídolo corintiano voltou a parar um chute de Villa. Aos 19, Benedetto teve sua primeira chance clara em contra-ataque, mas, de frente para Cássio, pegou de canela na bola e chutou por cima.

Aos 26, veio o lance mais polêmico da partida: Raul Gustavo subiu e acertou uma cotovelada em Fernández. O árbitro, alertado pelo VAR, assinalou a penalidade. Benedetto foi para a bola e chutou na trave esquerda de Cássio. Assustado, o Corinthians não teve nenhuma chance clara de gol, enquanto a equipe argentina terminou a primeira etapa com 14 finalizações.

Bendedetto desperdiçou pênalti diante do Corinthians na Bombonera
Bendedetto desperdiçou pênalti diante do Corinthians na Bombonera Marcelo Endelli/Getty Images

O cenário seguiu semelhante na segunda etapa. Aos 13, Giuliano reclamou de falta não marcada e no contra-ataque Benedetto teve nova chance, mas tentou encobrir Cássio e chutou por cima. A pressão do Boca persistia e o técnico Vitor Pereira mandou a campo Roni, Bruno Mello e Bruno Méndez. Antes, Giovane já havia entrado na vaga do lesionado Mantuan.

Os minutos finais foram de posse de bola estéril do Boca e o jogo foi mesmo para as penalidades. Rojo, Izquierdoz, pelo Boca, Fabio Santos e Cantillo, pelo Corinthians, converteram. Na sequência, Villa e Raul Gustavo desperdiçaram suas cobranças. Fernandez fez o quarto pelo Boca e Bruno Melo errou a sua cobrança.

Benedetto poderia definir, mas chutou por cima de maneira bizarra. Roger Guedes, por sua vez, precisava marcar e mandou a bola no ângulo. Nas alternadas, Óscar Romero, irmão do ídolo alvinegro Ángel Romero bateu no meio e converteu. Roni igualou para o Corinthians. Na sequência, Varela deslocou Cássio com categoria, mas Lucas Piton empatou. Foi então que brilhou a estrela de Cássio em cobrança de Ramirez. Gil fechou a decisão e a façanha corintiana.

O herói da partida, Cássio, exaltou o espírito de luta da equipe em entrevista à Conmebol TV na saída de campo. “Você tem que ler o jogo e fazer aquilo que se pode fazer. Estávamos com muitos lesionados, que tentaram até o final estar aqui, mas não estavam aptos. Lutamos com o que tínhamos, todo mundo se dedicou ao máximo e vestiu a camisa. A recompensa veio com a classificação”.

“É muito difícil eliminar o Boca, uma equipe muito competente, a torcida do Boca não tem nem o que falar, uma torcida que canta o jogo todo, pulsa o tempo todo. Estou feliz por essa classificação, pelo torcedor, pela nossa equipe. Jogamos da maneira que deu para jogar, sofremos, soubemos sofrer e, nos pênaltis, fomos mais eficientes e saímos com a classificação”, completou o goleiro, que em 2022 completa 10 anos de casa e também das conquistas históricas da Libertadores e do Mundial de 2012. 

 

Narração Minuto a Minuto

    Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

    MELHOR
    OFERTA

    Digital no App

    a partir de R$ 9,90/mês

    Impressa + Digital no App

    a partir de R$ 12,90/mês