ASSINE PLACAR DIGITAL NO APP POR APENAS R$ 6,90/MÊS

Cineasta que defendeu pênalti de Messi na Copa lança filme

Goleiro islandês Hannes Þór Halldórsson é o diretor de Cop Secret, uma sátira aos filmes de ação que vem recebendo elogios

Por Da Redação Atualizado em 4 nov 2021, 18h55 - Publicado em 4 nov 2021, 18h52

O mundo parou para reverenciar o cineasta Hannes Þór Halldórsson em 16 de junho de 2018. Na verdade, foi só depois que ele defendeu uma penalidade de ninguém menos que Lionel Messi, em um Islândia 1 x 1 Argentina pela Copa do Mundo da Rússia, que o planeta descobriu que, além de um desconhecido goleiro nórdico, ele era também um profissional da indústria do cinema respeitado em seu país. Pois bem, três anos depois da glória em Moscou, Halldórsson voltou ao noticiário agora graças a sua outra ocupação. Foi lançado recentemente seu primeiro longa-metragem, a comédia Cop Secret, uma sátira sobre filmes de ação.

Assine e receba PLACAR em casa a partir de R$ 14,90/mês

O filme foi rodado durante a pandemia e apresentado em outubro nos Festival de Cinema de Londres, na Inglaterra, e Locarno, na Suíça. O longa tem como protagonista “um policial que nega ser gay, mas se apaixona por seu novo companheiro de patrulha, ao mesmo tempo em que investiga uma suposta gangue que rouba bancos, mas na verdade não rouba nada”, na definição da emissora argentina TyC Sports. Em veículos especializados como o Cine Set, a obra vem recebendo elogios. 

LONDON, ENGLAND - OCTOBER 06: Director-Screenwriter Hannes Thór Halldórsson poses at a photocall at the
Hannes Halldórsson no lançamento do filme Cop Secret em Londres Rob Pinney/Getty Images

Aos 37 anos, Halldórsson segue em atividade como goleiro do Valu, da primeira divisão islandesa e também da seleção, que desta vez não deve se classificar ao Mundial do Catar. Ele sempre quis ser cineasta, mas tocou as duas paixões simultaneamente.

Continua após a publicidade

Aos 14 anos, durante uma pelada em Reykjavik, machucou o ombro e ficou longo tempo afastado dos campos. “Dos 16 aos 20 anos não parei de fazer curtas”, contou durante o estrelato em Moscou. Começou a carreira no esporte já adulto, aos 22 anos.

Foi barrado em sucessivas peneiras, diziam que não levava jeito, não tinha com quem treinar e se aperfeiçoar – e seguiu filmando. OK, não chega a ser um Ingmar Bergman ou um Lars von Trier, e não confundamos a Islândia com a Suécia e a Dinamarca, para ficar em dois países vizinhos que também jogaram a última Copa. Mas vem adquirindo uma carreira de respeito em ambos os ramos de atuação.

O primeiro grande sucesso audiovisual de Hannes foi o videoclipe de uma canção islandesa selecionada para o concurso Eurovision em 2012, Never Forget, interpretado por Greta Salóme e Jónsi. A balada terminou a competição na sexta colocação.

>Durante a Copa da Rússia, ele lançou outro trabalho de evidente oportunismo: o comercial de uma marca de refrigerantes para marcar o início da Copa na Islândia. Os islandeses reconheciam nele figuras conhecidas, como o ex-jogador de futebol Eidur Guojohnsen, o lutador de artes marciais Gunnar Nelson e a levantadora de peso Sara Sigmundsdóttir. Agora a brincadeira ficou mais séria e, já perto de pendurar as luvas, Halldórsson quer ser reconhecido mundialmente não apenas como “o cineasta que pegou um pênalti de Messi”.

Continua após a publicidade

Publicidade