CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS

Chile denuncia lateral do Equador por fraude e tenta vaga na Copa do Mundo

Federação chilena acusou Byron Castillo de mentir a idade e o país de nascimento, e quer que equatorianos percam pontos nas Eliminatórias

Por Da redação Atualizado em 5 Maio 2022, 12h11 - Publicado em 5 Maio 2022, 10h55

A seleção do Chile recorreu ao popular “tapetão” para tentar garantir uma vaga na Copa do Mundo de 2022. Nesta quinta-feira, 5, a federação de futebol do país anunciou que enviou uma denúncia ao Comitê Disciplinar da Fifa contra o lateral-direito Byron Castillo, do Equador, acusando o atleta de ter mentido o local e a data em sua certidão de nascimento. A ideia é fazer os equatorianos perderem os pontos dos jogos das Eliminatórias em que o jogador do Barcelona de Guayaquil foi escalado.

Assine #PLACAR digital no app por apenas R$ 6,90/mês. Não perca

Segundo a denúncia, Castillo teria nascido na Colômbia, na cidade de Tumaco, em 25 de julho de 1995, e não em General Villamil Playas, no Equador, em 10 de novembro de 1998, como consta em sua certidão. O comunicado da federação chilena afirma que há “inúmeras provas” e documentos que comprovariam a acusação.

O Chile pede que o Equador perca os pontos das oito partidas das Eliminatórias em que Castillo atuou, com os adversários desses jogos ganhando automaticamente os três pontos de cada duelo. Se isso acontecesse, os chilenos, que terminaram em sétimo lugar, saltariam para quarto, ultrapassando Equador, Peru e Colômbia. Como Castillo não esteve nos jogos contra peruanos nem colombianos, essas duas seleções não ganhariam pontos extras e acabariam atrás do Chile na tabela.

Eduardo Carlezzo, advogado brasileiro contratado pelo Chile para o caso, explicou a situação a PLACAR.  “Fizemos uma investigação criteriosa e profunda sobre todos os fatos que cercam o real local de nascimento de Byron Castillo. Existe farta documentação suficiente para provar que o certificado pretensamente emitido por um registro civil equatoriano é falso. Essa concussão, inclusive, não foi feita por nós, mas pelo órgão nacional de registro civil no Equador que não encontrou em seus arquivos internos o certificado que o jogador apresenta”, disse.

Com base nisso, uma comissão de investigação da federação equatoriana também se aprofundou no assunto e concluiu que ele era colombiano. Entre outras várias provas que juntamos e enviamos a FIFA. É muito grave. A federação equatoriana tinha conhecimento de tudo. Não merece jogar o mundial”, completa Carlezzo, que já defendeu a seleção chilena em situação semelhante na eliminatórias da Copa do Rússia, quando promoveu reclamação na Fifa contra a Bolívia por ter escalado o jogador Nelson Cabrera, nascido no Paraguai, que não cumpria com os requisitos para ser utilizado em jogos da seleção boliviana. Na ocasião, a Fifa deu os pontos da partida para a seleção chilena.

Desde o ano passado, a federação equatoriana já tinha conhecimento de possíveis problemas envolvendo a situação de Castillo. O lateral chegou até a ficar um período sem ser convocado, até que um tribunal do Equador concedeu a ele um documento que teoricamente o liberava para jogar pelo país. Agora, essa permissão é contestada pelos chilenos. Até o momento, a Fifa não se manifestou sobre o caso.

Ainda não assina Star+?! Clique aqui para se inscrever e ter acesso a jogos ao vivo, séries originais e programas exclusivos da ESPN

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Impressa + Digital no App

a partir de R$ 14,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital no App

a partir de R$ 9,90/mês