ASSINE PLACAR DIGITAL NO APP POR APENAS R$ 6,90/MÊS

CBF apura erro em sistema na inscrição de brasileiros na Conmebol

Entidade não acredita em punição esportiva para os clubes do país

Por Lucas Mello Atualizado em 28 set 2021, 14h21 - Publicado em 22 fev 2019, 08h51

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) está apurando o que provocou erro na inscrição de atletas de todos os clubes brasileiros que entraram em campo por competições Sul-Americanas no começo de 2019. Atlético-MG e São Paulo, na Libertadores; Bahia, Botafogo, Chapecoense, Corinthians, Fluminense e Santos na Copa Sul-Americana. De acordo com a entidade, o sistema Comet pode ter gerado a falha.

“A CBF informa que as listas de inscrição de equipes brasileiras na Libertadores e Sul-Americana foram recebidas pelos clubes, assinadas e encaminhadas à Conmebol dentro dos prazos estabelecidos em regulamento”, disse a entidade em nota oficial. “O que está em apuração junto à Conmebol é um possível erro de autenticação no sistema Comet, durante a realização de uma das etapas de homologação de processo, o que de forma alguma configura irregularidade na inscrição das equipes. Trata-se de eventual falha administrativa, que, se muito, pode resultar em aplicação de multa”, completou.

O sistema Comet da Conmebol é utilizado pela entidade para comunicar os clubes sobre a situação, regular ou irregular, de atletas inscritos na Sul-Americana e Libertadores. Em 2018, o programa apresentou falhas ao não informar que Carlos Sánchez, meia do Santos, precisava cumprir uma partida de suspensão por expulsão no passado. Isso fez com que o Santos fosse declarado derrotado por 3 a 0 em partida que empatou sem gols com o Independiente, em Avellaneda, pelas oitavas de final da Libertadores de 2018. O clube acabou eliminado da competição ao não conseguir reverter o resultado em campo.

Com o incidente, a Conmebol informou que o Comet não deveria ser usado naquele momento, pedindo aos clubes que enviassem um email para confirmação desses casos. Bruno Zuculini, do River Plate, e Ramón Ábila, do Boca Juniors, também jogaram de forma irregular, mas os clubes não foram punidos naquele momento.

Na quarta-feira 20, a Conmebol afirmou que 21 equipes haviam inscrito jogadores de forma irregular para a Libertadores e a Sul-Americana, e seriam investigadas por isso. Além dos oito clubes brasileiros, equipes do Chile, do Equador, do Paraguai e da Venezuela também teriam cometido irregularidades.

“A CBF está investigando as causas dessa possível situação e fornecendo os esclarecimentos necessários aos clubes envolvidos e à entidade sul-americana”, completou a confederação brasileira, em resposta às acusações do Santos de que seria a responsável pela falhas.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade