ASSINE PLACAR DIGITAL NO APP POR APENAS R$ 6,90/MÊS

Barcelona: Ter Stegen diz que Catalunha é discutida no vestiário

O goleiro do Barcelona diz que todas as opiniões são respeitadas entre os jogadores. Em Madri, Sergio Ramos pede união da Espanha

Por Gazeta Press e AFP Atualizado em 20 out 2021, 18h56 - Publicado em 31 out 2017, 17h25

As discussões sobre a independência da Catalunha têm mexido com o futebol espanhol. As manifestações da torcida em jogos do Barcelona  no Camp Nou e a militância de Gerard Piqué em prol da separação colocam o time entre as referências do movimento. Em entrevista ao diário alemão WAZ, o goleiro Ter Stegen revelou que a situação do país interfere no ambiente do vestiário do time e o assunto é bastante abordado pelos atletas.

“É inevitável, falamos desse tema. Temos atletas que nasceram na Catalunha e a discussão é importante para eles. O diferencial é que aqui dentro do Barcelona cada um tem a sua opinião, e qualquer que seja, é respeitada por todos”, afirmou o goleiro, que está em Atenas, onde o Barcelona enfrenta o Olympiacos, pela Liga dos Campeões.

“Não tenho nenhum juízo claro sobre a questão. É algo bem difícil de se posicionar porque envolve o sentimento das pessoas, algo que só quem viveu sabe o que pode ser melhor para o país. Como um estrangeiro, faço questão de ler muito e me manter informado, visando saber sempre mais”, comentou o alemão.

Sergio Ramos pede união da Espanha

Enquanto no Barcelona há discussões sobre uma possível separação catalã, no Real Madrid, clube de maior representatividade da Espanha, Sergio Ramos, capitão da equipe e da seleção, afirmou que a imagem do país nas últimas semanas lhe “dói”. “O que eu penso não vai mudar nada. Não gosto que aconteçam essas coisas, colocando uma parte da Espanha nesta situação de confronto. Juntos somos mais fortes e isso ninguém vai conseguir mudar”, declarou à emissora de rádio Onda Cero.

Nascido na Andaluzia, perto de Sevilha, Ramos disse estar convencido de que não ocorrerá a expulsão do Barcelona da Liga Espanhola. “Não consigo acreditar que os separatista sejam maioria, mas como são suposições e não sabemos o que pode acontecer,  prefiro que o Barça fique na Liga.”

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade