CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 12,90/MÊS

UFC 166: Velasquez volta a punir Cigano e mantém título

O americano dominou o brasileiro, castigou seu desafiante por quase cinco rounds e fechou a trilogia com um nocaute técnico. Cigano prometeu voltar

Por Da Redação Atualizado em 7 out 2021, 02h29 - Publicado em 20 out 2013, 01h46

“Ele é um campeão de verdade”, reconheceu o brasileiro. “Ele me bateu hoje, mas vou treinar muito, voltar e encontrá-lo outra vez”

O cinturão dos pesos-pesados do UFC continuará nos Estados Unidos. O brasileiro Júnior Cigano dos Santos, ex-campeão da categoria, sonhava em dar o troco no americano Cain Velasquez, que tirou o título de suas mãos no fim do ano passado. Velasquez, porém, fechou a trilogia contra o brasileiro em vantagem, derrotando Cigano de forma categórica – assim como no encontro anterior, Velasquez tomou a iniciativa do duelo, foi claramente melhor e mereceu a vitória. A luta foi decidida no último assalto, por nocaute técnico, quando Cigano já não aguentava mais a saraivada de golpes do oponente. O próximo adversário do campeão deverá ser outro brasileiro: Fabrício Werdum, apontado pelo próprio presidente do UFC, Dana White, como o primeiro colocado na fila de desafiantes da divisão. Cigano agora terá de se reerguer para voltar a entrar na lista dos candidatos ao título – desta vez, porém, o caminho até a disputa do cinturão deverá ser mais longo.

Leia também:

Vaiado na pesagem, Cigano promete outro nocaute​

Antes de Cigano x Velasquez, outras trilogias de sucesso

Cigano sofre corte na testa, mas a luta é confirmada

Continua após a publicidade

A pedido do Corinthians, Anderson deve voltar ao clube

Continua após a publicidade

UFC prepara agenda farta e variada no Brasil em 2014

A luta começou com os oponentes tentando impor seus estilos preferidos: Cigano apostava na trocação e Velasquez, no wrestling. O americano manteve o brasileiro sob pressão na grade e conseguiu ser mais eficaz, mas Cigano também conseguiu encaixar golpes perigosos. No segundo assalto, Velasquez controlou ainda mais o duelo, prensando o brasileiro nos lados do octógono durante boa parte do tempo. O americano, porém, não conseguia criar boas oportunidades para encerrar a luta. Isso mudou no terceiro assalto – e, curiosamente, Velasquez se deu melhor justamente no jogo que Cigano vinha buscando durante todo o combate, a luta em pé. O americano derrubou o brasileiro com um potente golpe de direita e ficou muito perto do nocaute, mas o árbitro Herb Dean não interrompeu a briga e Cigano se levantou. O desafiante ainda escapou de uma tentativa de finalização para sobreviver, de forma surpreendente, até o fim do assalto. Poucos atletas do UFC teriam conseguido resistir em uma situação tão adversa.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

No quarto round, Velasquez seguiu castigando o brasileiro enquanto Cigano mostrava-se cada vez mais desgastado e desorientado. Sua desvantagem na estratégia de luta complicava a situação. Para piorar ainda mais o quadro, Cigano tinha o rosto coberto de sangue, dificultando sua visão (a luta chegou a ser interrompida para que ele fosse examinado). No assalto final, o americano procurou levar o combate para o solo, reduzindo as chances de Cigano achar um nocaute de última hora. Cigano conseguiu se reerguer, mas acabou sendo derrotado por nocaute técnico a poucos minutos do fim da luta: Velasquez tentou uma finalização com guilhotina, o brasileiro bateu a cabeça no chão ao cair e Herb Dean enfim encerrou a batalha. O americano manteve não só o título como também o status de melhor peso-pesado do planeta, encerrando a trilogia de forma muito superior. “Ele voltou melhor que na outra vez”, disse Velasquez sobre Cigano, reconhecendo que o brasileiro é um rival muito duro. “Ele é um campeão de verdade”, admitiu o brasileiro. “Ele me bateu hoje, mas vou treinar muito, voltar e encontrá-lo outra vez.”

O fim da trilogia Cigano-Velasquez aconteceu no ginásio Toyota Center, com todos os ingressos vendidos. O único outro brasileiro em ação na noite foi Gabriel “Napão” Gonzaga, que encarou o americano Shawn Jordan, apontado como favorito no combate. Mas Napão contrariou as previsões e venceu logo no primeiro assalto, com um nocaute espetacular. A melhor (e mais sangrenta) luta da noite foi a batalha entre Gilbert Melendez e Diego Sanchez, decidida pelos jurados – Melendez levou a melhor, mas Sanchez ficou perto de nocauteá-lo no último round. Os últimos momentos do confronto foram marcados por uma trocação de golpes franca e aberta entre os atletas. Na segunda luta mais importante da noite, entre os pesos-pesados Daniel Cormier e Roy Nelson, decisão unânime dos jurados em favor de Cormier. O próximo evento do UFC acontece em Manchester, na Inglaterra, novamente com um brasileiro fechando o card principal: Lyoto Machida faz sua estreia na categoria peso-médio contra Mark Munoz.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

MELHOR
OFERTA

Digital no App

a partir de R$ 9,90/mês

Impressa + Digital no App

a partir de R$ 12,90/mês