CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS

UFC 160: Velasquez volta a arrasar Pezão. Na fila, Cigano

Atleta paraibano durou pouco mais de um minuto com o campeão dos pesados. O próximo desafiante deverá ser ex-campeão Cigano, que também nocauteou

Por Da Redação Atualizado em 7 out 2021, 11h48 - Publicado em 26 Maio 2013, 01h16

Com a vitória convincente sobre Hunt, Cigano volta a ficar a apenas uma vitória de recuperar seu título e vingar a derrota para Velasquez

Antônio Pezão Silva era um grande azarão no duelo contra o americano Cain Velasquez, na noite deste sábado, nos Estados Unidos – e foi nessa mesma situação que o paraibano já tinha conseguido duas vitórias consecutivas para alcançar sua primeira disputa de cinturão do UFC. Desta vez, no entanto, o gigante brasileiro não conseguiu surpreender seu oponente, que venceu de forma incontestável e até fácil, por nocaute, depois de pouco mais de um minuto de combate, e manteve o título dos pesados da maior franquia de MMA do mundo. Bastou um soco certeiro do americano para derrubar o brasileiro. Com Pezão já grogue e de joelhos, Velasquez disparou uma sequência avassaladora de golpes na cabeça do desafiante, levando o árbitro Mario Yamasaki a interromper a luta de forma rápida e inapelável (Pezão não gostou da decisão e achava que poderia resistir um pouco mais). Depois de atropelar Pezão pela segunda vez – há exatamente um ano, já tinha massacrado o paraibano -, Velasquez deverá encarar mais um brasileiro em breve: Júnior Cigano ganhará mais uma chance contra o americano, a quem já derrotou em 2011. Será o terceiro episódio da rivalidade entre o americano e o brasileiro, e uma espécie de tira-teima entre os dois atletas mais fortes e dominantes da categoria peso-pesado. Velasquez e Cigano parecem estar muito acima de todos os outros atletas dessa divisão.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

Recuperação – Apesar de seu cartel invejável, Cigano estava pressionado no UFC 160. Ele precisava de uma boa vitória neste combate, o primeiro depois de perder o cinturão para Velasquez, no fim do ano passado, numa luta em que mostrou certa apatia. Na segunda luta principal da noite, ele encarou o neozelandês Mark Hunt, dono de mãos poderosas e, assim como o brasileiro, especialista na trocação. Mas Cigano não se intimidou: o catarinense de 29 anos dominou o rival e venceu de forma bastante convincente, nocauteando no terceiro round com uma combinação de chute rodado e ground and pound. Hunt ficou totalmente desorientado. Depois de um início muito estudado, com ambos os lutadores mantendo uma postura cautelosa, Cigano foi o primeiro a acertar um golpe certeiro – o neozelandês aguentou a pancada e voltou para a luta. O brasileiro controlou bem o combate, consciente do perigo que representava a trocação franca com o adversário. Com golpes mais precisos e velozes que os do oponente, o ex-campeão minou a resistência de Hunt e, quando a vitória por pontos já estava garantida, decidiu resolver a luta sem precisar da decisão dos juízes. Depois de acertar o chute rodado, Cigano encerrou a fatura com um soco poderoso no adversário já desorientado. Com a vitória, o brasileiro volta a ficar a apenas uma vitória de recuperar seu título.

Leia também:

Velasquez, o carrasco, quer repetir nocaute contra Pezão

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Na pesagem, o Pezão avisa: ‘Estou pronto para o cinturão’

Júnior Cigano faz primeira luta após perda de seu cinturão

Com Tyson – Cigano não foi o único brasileiro vencedor da noite. O mineiro Glover Teixeira chegou para o duelo contra o neozelandês James Te Huna não só como favorito, mas também na posição de possível desafiante ao título dos meio-pesados no futuro (hoje, o cinturão está com o fenômeno americano Jon Jones). E a apresentação do atleta de 33 anos, que estava em quarto colocado no ranking oficial da categoria, não decepcionou. Além de mostrar seu cartão de visitas logo no início, com muita potência na trocação, o brasileiro deu show ao levar a luta para o solo, imobilizar o adversário e finalizar a luta logo no primeiro assalto. Aplaudido de pé pelo ex-campeão de boxe Mike Tyson, que foi até o brasileiro para cumprimentá-lo, Glover também recebeu os parabéns de Chuck Liddell no octógono. Sinais claros de que seu talento é cada vez mais respeitado no mundo das lutas. Com quatro vitórias consecutivas, Glover tem tudo para disputar o título. Sua próxima luta não será contra Jon Jones, mas somar mais uma grande vitória pode significar, enfim, o encontro com o detentor do título.

Leia também:

Belfort fala a VEJA sobre nocaute: ‘Foi um momento épico’

Anderson terá empresa para cuidar da imagem no exterior

UFC aprova Jaraguá e mantém aposta ambiciosa no Brasil

Resultados – O UFC 160 aconteceu no hotel e cassino MGM Grand, em Las Vegas. Antes de Glover, Cigano e Pezão subirem ao octógono, Donald Cerone superou KJ Noons por decisão unânime dos juízes e TJ Grant nocauteou Gray Maynard logo no primeiro round. No card preliminar, Mike Pyle derrotou Rick Story por decisão dividida. Dennis Bermudez também contou com a preferência dos juízes contra Max Holloway, mas essa decisão foi controversa, já que o atleta derrotado foi melhor na opinião de muitos torcedores. Num duelo entre ex-participantes do reality show The Ultimate Fighter, Robert Whittaker nocauteou Colton Smith no terceiro round. O russo Khabib Nurmagomedov foi muito superior a Abel Trujillo e garantiu uma vitória por decisão unânime. Também por decisão, Stephen Thompson foi declarado vencedor contra Nah-Shon Burrell. Pouco antes, George Roop nocauteou Brian Bowles no segundo assalto. Na primeira luta da noite – um combate que deixou todo o octógono manchado de sangue -, Jeremy Stephens abriu um corte profundo em Estevan Payan e castigou o oponente durante três assaltos, vencendo por decisão unânime.

  • Dana White, o chefão do UFC
  • As ring girls no UFC São Paulo
  • UFC: a ring girl Arianny Celeste na praia, no Rio
  • UFC SP: o que você não viu na TV
  • UFC: Anderson Silva em fotos exclusivas para VEJA
  • UFC Rio 3: o que você não viu na TV
  • UFC Rio 3: por dentro do evento
  • Ronda Rousey, a nova musa do UFC
  • UFC: Anderson Silva x Chael Sonnen
  • No octógono com Júnior Cigano, campeão do UFC
Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Impressa + Digital no App

MELHOR
OFERTA

Digital no App