CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS

UFC 158: St-Pierre enfim cala Nick Diaz e mantém cinturão

O canadense controlou os nervos, dominou a luta inteira e venceu por pontos. Já o americano surpreendeu no fim da luta, falando que pensa em se aposentar

Por Da Redação Atualizado em 7 out 2021, 16h55 - Publicado em 17 mar 2013, 01h46

Nick Diaz voltou a apelar para a provocação, insultando o canadense mesmo durante a luta, mas St-Pierre não entrou no jogo do falastrão. No fim, eles trocaram elogios e abraços

Em entrevista exclusiva ao site de VEJA no início desta semana, o canadense Georges St-Pierre garantiu que seria capaz de controlar suas emoções no octógono ao ficar frente a frente com um dos principais adversários de sua carreira – talvez não nos quesitos capacidade técnica ou histórico no MMA, mas pelo menos na troca de provocações. Ao encarar o encrenqueiro americano Nick Diaz, no UFC 158, na noite deste sábado, no ginásio Bell Centre, em Montreal, GSP cumpriu a promessa, controlando totalmente o combate, neutralizando os pontos fortes do americano e vencendo por decisão unânime dos juízes. St-Pierre mantém o cinturão dos meio-médios do UFC – foi sua oitava defesa bem-sucedida de título. Se não ocorrer nenhum imprevisto, ele deverá voltar ao octógono ainda neste ano para encarar outro forte desafiante, Johny Hendricks. Também é possível, ainda que não muito provável, que ele faça uma aguardada superluta contra Anderson Silva. A UFC 158 reuniu mais de 20.000 pessoas e arrecadou o equivalente a 7,3 milhões de reais em ingressos.

Leia também:

St-Pierre em entrevista a VEJA: ‘Não deixo emoção me afetar’

Na pesagem, Georges St-Pierre e Diaz quase saem no tapa

St-Pierre, aos 31 anos, já teria até um plano de aposentadoria

Nick Diaz, o rebelde com causa – superar o campeão GSP

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Um ‘acerto de contas’ entre St-Pierre e Nick Diaz no Canadá

Elogios e abraços – Com um inesperado espírito esportivo, Diaz levantou a mão de GSP ao fim do combate, reconhecendo a superioridade do campeão. Chamou atenção também a forma como ambos deixaram de lado a animosidade depois de encerrada a luta. “Evitei a trocação aberta porque ele é o melhor boxeador do MMA, é muito difícil lutar contra um cara contra ele”, disse St-Pierre, que em seguida pediu aplausos a Diaz: “Senhoras e senhores, ele fez um grande trabalho para promover essa luta e é um bom sujeito”. Sobre as repetidas provocações do americano, St-Pierre afirmou: “Não levo para o lado pessoal, até porque sou um fã dele e adoro vê-lo lutar”. Em seguida, foi a vez de Nick Diaz falar – e ele pegou todos de surpresa mais uma vez ao anunciar que esta pode ter sido sua última luta no MMA. “Quero agradecer a St-Pierre pela chance. Não quero dar nenhuma desculpa pela derrota. Acho que para mim já chega. Cansei de levar tanta pancada”, disse ele, pouco antes de ganhar um abraço do campeão.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

As outras lutas de destaque da noite – desta vez, sem atletas brasileiros em ação – também foram da categoria meio-médio. Jake Ellenberger conseguiu um nocaute sensacional contra o experiente Nate Marquardt logo no primeiro round. Antes deste sábado, só Anderson Silva tinha nocauteado Marquardt. O vencedor fica na fila para disputar o título, assim como Johny Hendricks, que derrotou Carlos Condit no penúltimo combate do evento. Condit foi o dono do cinturão interino enquanto St-Pierre estava machucado e Hendricks vinha buscando uma chance de desafiar o canadense havia muito tempo. O encontro dos dois propiciou uma grande luta, levantando a torcida canadense. Por decisão unânime, Hendricks, que acertou mais golpes perigosos, principalmente nos dois primeiros assaltos, foi declarado vencedor após três rounds e já aparece como o próximo atleta a disputar o título dos meio-médios. Depois da vitória, ele voltou a pedir uma oportunidade contra St-Pierre.

https://youtube.com/watch?v=HWCWwSWeiTA%3Frel%3D0

  • Dana White, o chefão do UFC
  • As ring girls no UFC São Paulo
  • UFC: a ring girl Arianny Celeste na praia, no Rio
  • UFC SP: o que você não viu na TV
  • UFC: Anderson Silva em fotos exclusivas para VEJA
  • UFC Rio 3: o que você não viu na TV
  • UFC Rio 3: por dentro do evento
  • Ronda Rousey, a nova musa do UFC
  • UFC: Anderson Silva x Chael Sonnen
  • No octógono com Júnior Cigano, campeão do UFC
Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Impressa + Digital no App

a partir de R$ 14,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital no App

a partir de R$ 9,90/mês