Clique e receba em casa a partir de R$ 14,90/mês

Pelé aponta Corinthians como possível base para seleção

Em evento de montadora, ex-craque diz que Felipão não tem tempo para testes

Por Da Redação Atualizado em 7 out 2021, 16h49 - Publicado em 19 mar 2013, 07h37

“Nós tivemos os mesmos problemas antes da Copa de 1970: falta de tempo, falta de entrosamento. E a saída encontrada foi essa: pegar os melhores times da época, Santos e Botafogo, e formar a base da seleção”

Preocupado com a falta de tempo de preparação para a Copa das Confederações, em junho, e também para a Copa do Mundo de 2014, Pelé defendeu nesta segunda-feira que o técnico Luiz Felipe Scolari diminua a quantidade de testes e experiências na seleção brasileira. Segundo ele, a solução agora seria apostar numa equipe como base, e incluir nela alguns jogadores. No caso, o ex-craque aponta o Corinthians como o exemplo a ser seguido, com o acréscimo de talentos como Neymar. “Para ganharmos tempo na preparação da seleção, o Felipão poderia escolher um time como base e, a partir dessa base, juntar outros craques. A base seria o Corinthians. É o time que está apresentando o melhor futebol no momento e tem o melhor conjunto. Com essa base, o Neymar, que é uma peça única, poderia render muito mais”, defendeu Pelé durante evento promocional da Volkswagen em São Palo.

Leia também:

Beckham supera Messi e é o jogador com o maior faturamento no mundo

Seleção desembarca em Genebra para jogar contra a Itália

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Pelé entende que o Corinthians, campeão da Libertadores e do Mundial no ano passado, tem o melhor time do futebol brasileiro na atualidade, mas não destaca nenhum jogador individualmente do elenco corintiano – o único convocado do time para os jogos contra Itália, nesta quinta-feira, e Rússia, na próxima segunda, foi o volante Paulinho, que acabou sendo cortado por causa de uma lesão muscular. Para ele, a força corintiana está justamente no conjunto montado pelo técnico Tite. “Não é mais o momento de experiências. Agora é hora de colocar o mesmo time para jogar”, afirmou Pelé, que comparou a situação atual com a campanha do tricampeonato mundial. “Nós tivemos os mesmos problemas antes da Copa de 1970: falta de tempo, falta de entrosamento. E a saída encontrada foi essa: pegar os melhores times da época, Santos e Botafogo, e formar a base da seleção.”

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

Durante o evento em que foi anunciado como garoto-propaganda dos 60 anos da montadora alemã no Brasil, ao lado de outros jogadores, entre eles Neymar, Pelé disse que vai continuar cobrando seu pupilo “de pai para filho”, como fez numa entrevista há cerca de um mês, quando reclamou que ele estava preocupado demais em aparecer na mídia. “A nossa relação vai ficar igual. Um pai sempre tem que orientar bem o seu filho, não é? O Neymar é cria nossa e todos os que gostam dele, como o Pepe, o próprio Edinho, meu filho, que trabalha no Santos, e eu, damos puxões de orelhas. Tudo o que gente fala é para o bem dele, pois é um excelente garoto, um grande jogador, e não pode se perder”, avisou Pelé, que promete ficar de olho inclusive nas namoradas de Neymar. “Há algum tempo, ele estava brincando e falou: ‘Poxa vida, rapaz, engravidei uma menina aí e vou assumir a criança’. Agora, ele já apresentou outra. É complicado. Vamos ver o que acontece. O que eu puder fazer para o Neymar ser melhor para o Brasil, vou fazer. Mas não há problema nenhum. É tranquilo. Confiamos nele”, afirmou.

(Com Estadão Conteúdo e Gazeta Press)

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade
Publicidade