Clique e receba em casa a partir de R$ 14,90/mês

Operador de guindaste vai prestar depoimento nesta sexta

Abalado com acidente que matou dois de seus colegas, operário ficará afastado

Por Da Redação Atualizado em 7 out 2021, 01h03 - Publicado em 29 nov 2013, 07h22

Corinthians e Odebrecht têm tomado cuidado para preservar o operador do guindaste envolvido no acidente fatal ocorrido no canteiro de obras do Itaquerão, em São Paulo, na quarta-feira. “Muito abatido”, conforme relatos de quem esteve com o funcionário, ele vai prestar seu depoimento à polícia nesta sexta. No início do ano, o clube chegou a publicar um perfil do operário responsável pela condução do segundo maior guindaste da América Latina. Agora, no entanto, o clube quer proteger sua identidade. A construtora também tenta evitar que detalhes do relato do operador de guindaste sejam vazados.

Leia também:

Itaquerão: acidente pode atrasar até a operação financeira

Itaquerão: Defesa Civil diz que a estrutura não foi afetada

Operários fizeram churrasco para festejar fim da cobertura

Itaquerão: acidente agrava o aperto causado pelo ‘jeitinho’

“Imagina a pressão sobre o cara. Era praticamente a última peça do estádio que vai abrir a Copa do Mundo. Estava todo mundo muito ansioso”, disse Flávio Ferreira, diretor do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção Pesada, Infraestrutura e Afins do Estado de São Paulo (Sintrapav-SP), sobre o operador. Desde o acidente, o funcionário foi liberado para ficar em sua casa, fora da capital paulista. Mesmo depois do depoimento e da volta ao trabalho da maior parte dos funcionários, na próxima segunda-feira, o operador do guindaste será preservado das atividades no canteiro de obras.

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Leia também:

Obras de 2014 somam mais mortes que África do Sul-2010

Operários em choque. Uma das vítimas tinha três filhos

Há 6 meses, Fifa exigiu pressa e ameaçou excluir estádio

“Ele é um cara muito tranquilo, mas está muito abatido. A gente sabe que foi uma fatalidade, mas não tem como o cara não sentir”, disse o representante do sindicato. “Erro de procedimento” foi uma hipótese levantada pela Defesa Civil para explicar o acidente. Esse erro pode ter sido humano ou do maquinário. Os peritos foram ao local do acidente na manhã de quinta e confirmaram que a estrutura do setor atingido não foi comprometida. Outro sindicato do setor acusou um engenheiro de ignorar o alerta de um técnico de segurança do trabalho. A Odebrecht desmentiu a versão e disse que não houve qualquer advertência.

(Com agência Gazeta Press)

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade
Publicidade