CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS

O ‘trenó’ da Jamaica estreia em Sochi bem acima de zero

Dupla do bobsled que veio da ilha do Caribe conquista a simpatia da torcida, mas faz uma apresentação fraca e com alguns momentos de tensão (assim como no filme famoso)

Por Alexandre Salvador Atualizado em 6 out 2021, 22h24 - Publicado em 16 fev 2014, 20h38

A tão aguardada estreia da equipe jamaicana de bobsled só não foi mais celebrada pelos torcedores russos que a exibição do time da casa. Mesmo assim, no quesito entusiasmo, foi uma competição cabeça a cabeça. Mas a igualdade entre os dois países acabou por aí. Os russos foram os líderes da disputa, marcando os tempos mais baixos das duas sessões disputadas no Complexo Sanki, em Krasnaya Polyana, a sede da montanha dos Jogos de Inverno de Sochi. Os jamaicanos, por sua vez, foram os lanterninhas. Ficaram na trigésima posição, a quase cinco segundos dos anfitriões. Na segunda descida jamaicana, houve até um momento de tensão: o piloto do trenó caribenho, Winston Watts, quebrou a viseira de seu capacete antes de iniciar a corrida. “Quebrou mesmo, mas eu fui mesmo assim. Em algum momento eu não conseguia enxergar”, revelou Watts ao final da descida, que começou descontrolada, com o bobsled ricocheteando de um lado para o outro da pista.

Leia também:

Isabel Clark cai e fica em 14º no snowboard cross

Brasileiras do bobsled passam bem após acidente com trenó

Esquiadora russa se lesiona gravemente e é operada

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

A participação jamaicana nos Jogos de Sochi parece a reprodução viva de um roteiro bem conhecido. Mas para quem não assistiu a tantas reprises do filme Jamaica Abaixo de Zero, aqui vai um rápido resumo: na fita de 1993 é contada uma versão romanceada da história da primeira equipe jamaicana de bobsled a participar de uma Olimpíada de Inverno, em 1988. O time era formado por velocistas do atletismo que não se classificaram para a edição de verão dos Jogos. A viagem e o equipamento foram pagos por meio de uma “vaquinha” entre os membros da equipe. Mesmo obtendo o índice mínimo para participar da competição, os jamaicanos são considerados uma piada pelos demais atletas. Depois de uma série de desventuras (com o capacete, inclusive), os estreantes finalmente pegam o jeito da coisa e surpreendem os rivais. Na última das descidas a equipe até vislumbrava uma medalha, mas acabou capotando o trenó e ficando de fora da disputa. Mas os jamaicanos conquistaram algo mais importante: o respeito dos adversários.

Contada a ficção, vamos a história verdadeira (cheia de coincidências, aliás). A dupla jamaicana do bobsled que veio à Rússia também passou por poucas e boas antes da disputa. Sem dinheiro para treinar, os atletas apelaram para o crowdfunding, aquele tipo de arrecadação de fundos pela internet, pedindo 80 000 dólares para financiar a empreitada. Com a ajuda da fama proporcionada pelo filme da década de 90, os jamaicanos conseguiram arrecadar 120 000 dólares. Mesmo asism, a viagem não foi fácil. No caminho até Sochi, parte do equipamento foi extraviado, prejudicando a preparação antes da competição. Tudo, porém, sem perder a simpatia. Sabendo da popularidade dos jamaicanos, uma agência de viagens da ilha caribenha resolveu abraçar a brincadeira. A empresa criou uma música que, se colocada para tocar no início da corrida dos atletas, fica em perfeita sincronia com a descida do bobsled. É uma forma de amenizar a tensão provocada pelas trombadas do trenó com a parede de gelo.

A versão romanceada, feita pelos estúdios de Walt Disney, foi inspirada na participação dos Jogos de Calgary, no Canadá. Desde então, o país participou de outras três edições da Olimpíada de Inverno: em 1994, 1998 e 2002. “Todos sabem que somos de uma ilha pequena e o quanto é importante estarmos aqui. Nós estamos muito felizes. É fenomenal. Adoro os fãs de todo o mundo. Agradecemos muito o que fazem pela gente”, disse o emocionado piloto Watts. Para quem perdeu as duas descidas deste domingo, ainda existe uma última chance: a disputa das duplas do bobsled continuam nesta segunda-feira, a partir das 11h30 (horário de Brasília). Mas não espere uma recuperação espetacular dos jamaicanos dentro da competição. Isso, definitivamente, é coisa de filme. Por isso, aumente o volume, sinta o ritmo e curta a descida ao som de Bobsled Song.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade