Clique e receba em casa a partir de R$ 14,90/mês

Na cerimônia de encerramento, um protesto de voluntários

Dois participantes da festa estenderam uma faixa em meio às suas coreografias

Por Giancarlo Lepiani, do Rio de Janeiro Atualizado em 7 out 2021, 09h38 - Publicado em 30 jun 2013, 17h53

Os jogadores da Espanha assistiram à festa do banco de reservas, acenando para a torcida quando eram mostrados nos telões (e vaiados pelos brasileiros)

A festa de encerramento de um torneio marcado pelas manifestações do lado de fora dos estádios teve um protesto também no gramado do Maracanã. A breve e simples cerimônia, iniciada pontualmente às 17h25 deste domingo, transcorria dentro do esperado quando dois voluntários que participavam das coreografias no campo se desgarraram do grupo e tentaram estender uma faixa escondida sob seus adereços, que imitavam bolas de futebol. Um coordenador do espetáculo correu na direção da dupla e precisou se enroscar com os manifestantes para arrancar a faixa de suas mãos. A mensagem condenava a privatização do Maracanã. Em seguida, num momento absolutamente inusitado, os voluntários, já sem a faixa, retornaram para a formação no gramado como se nada tivesse acontecido. Depois, pelo menos um deles foi retirado pelos organizadores.

Leia também:

O ‘plano de metas Felipão’: crescer 4 anos em 4 semanas

Maracanã, um teste de realidade para a mimada Espanha

Diplomáticos, Casillas e Xavi esfriam ânimos antes da final

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Felipão promete ‘mandar um recado ao mundo’ na decisão

Na saída do campo, outra cena curiosa: outra “bolinha” da coreografia, uma mulher, passou mal e foi carregada por dois seguranças. Nos momentos que antecederam o episódio, os cantores Arlindo Cruz, Victor e Leo, Jorge Ben Jor e Ivete Sangalo se apresentaram, cantando sozinhos. O breve protesto ocorreu no momento em que a bateria da escola de samba Grande Rio entrava no Maracanã, enquanto os cinco artistas convidados se juntavam à apresentação. Duplas de mestre-sala e porta-bandeira carregaram os pavilhões de Brasil e Espanha. Enquanto a cerimônia acontecia, os atletas da seleção brasileira desciam do ônibus rumo aos vestiários, despertando a animação da torcida. Os jogadores da Espanha assistiram à festa do banco de reservas, acenando para a torcida quando eram mostrados nos telões (e vaiados pelos brasileiros).

Leia também: Brasil x Espanha, um duelo que não tem nada de amistoso

À distância, Brasil e Espanha alimentam acirrada rivalidade

Nas outras finais brasileiras, três taças e só uma decepção

No momento em que a apresentação era concluída, a Fifa divulgava as escalações das seleções finalistas para o jogo das 19 horas (de Brasília). O Brasil vai a campo sem surpresas, com o mesmo time que jogou quase toda a competição: Júlio César; Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz e Marcelo; Luiz Gustavo, Paulinho, Oscar, Neymar e Hulk; Fred. A Espanha, do técnico Vicente Del Bosque, foi confirmada com uma novidade: a presença de Juan Mata, do Chelsea, entre os titulares. O time campeão da Europa e do mundo tentará levantar sua primeira taça da Copa das Confederações com Casillas; Arbeloa, Piqué, Sérgio Ramos e Jordi Alba; Busquets, Xavi e Iniesta; Mata, Pedro e Fernando Torres. A exatamente uma hora do pontapé inicial, a torcida já lotava o Maracanã: havia pouquíssimas cadeiras desocupadas no estádio.

Copa das Confederações
Copa das Confederações VEJA
Continua após a publicidade

Continua após a publicidade
Publicidade