ASSINE PLACAR DIGITAL NO APP POR APENAS R$ 6,90/MÊS

México também está na festa de 2014. Só falta o Uruguai

Destaque da decisão em Wellington foi Peralta, carrasco do Brasil em Londres

Por Da Redação Atualizado em 7 out 2021, 01h26 - Publicado em 20 nov 2013, 07h34

Com a classificação dos mexicanos, falta definir apenas uma vaga para a Copa do Mundo: Uruguai e Jordânia jogam na noite desta quarta, em Montevidéu

Com três gols do atacante Peralta, carrasco da seleção brasileira na final da Olimpíada de Londres-2012, o México garantiu sua classificação para a Copa do Mundo de 2014 nesta quarta-feira, em Wellington, ao atropelar a Nova Zelândia por 4 a 2. Os mexicanos tinham goleado no primeiro jogo – 5 a 1, na semana passada, no Estádio Azteca – e poderiam até perder por três gols de diferença, mas não se contentaram em apenas administrar a vantagem e foram para cima dos anfitriões. A vitória e a classificação renovam os ânimos da fanática torcida mexicana, que teve de amargar uma campanha desastrosa nas Eliminatórias, com o quarto lugar entre as seis finalistas da Concacaf, atrás de Estados Unidos, Costa Rica e Honduras.

Leia também:

Brasil se despede de 2013 com vitória sobre o Chile

França se supera, vence Ucrânia e também virá ao Brasil

Cristiano Ronaldo faz três gols e despacha a Suécia

Grécia, Croácia e Argélia também garantem vaga na Copa

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Gana perde, mas carimba passaporte para vir ao Brasil

A seleção da casa entrou em campo nesta quarta precisando de um milagre. No México, os neozelandeses trocaram o branco tradicional de sua seleção pelo preto usado normalmente pelos All Blacks, os campeões mundiais de rúgbi, modalidade mais popular do país. Como se viu, o azarão não colocou medo nos mexicanos. De volta ao branco nesta quarta, o roteiro do confronto não foi muito diferente. Peralta, que já tinha balançado as redes duas vezes no jogo de ida, acabou com qualquer chance de reação neozelandesa ao anotar três gols em pouco mais de meia hora, aos 14, 29 e 33 do primeiro tempo. Chris James e Rory Fallon descontaram aos 35 e aos 39 da etapa final, e Carlos Peña deu número finais à partida ao marcar o quarto gol mexicano, aos 42.

Herói da classificação mexicana, Peralta traz péssimas lembranças ao torcedor brasileiro. Em Londres, ele foi o autor dos dois gols que deram a medalha de ouro à sua equipe, que derrotou por 2 a 1 a seleção então comandada por Mano Menezes na final olímpica. Nesta quarta, o atacante do Santos Laguna decidiu a partida em três lances semelhantes, com toques de primeira para concluir jogadas tramadas pelo lado esquerdo, onde os mexicanos encontraram uma verdadeira avenida. A Nova Zelândia teve uma oportunidade de ouro para descontar aos 37, quando o árbitro marcou um pênalti duvidoso em Jeremy Brockie. O próprio Brockie foi para a cobrança, mas o goleiro Muñoz defendeu.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

Com a classificação dos mexicanos, falta definir apenas uma vaga para a Copa do Mundo, mas o jogo desta quarta entre Uruguai e Jordânia, em Montevidéu, parece ser uma mera formalidade. Depois de golear os jordanianos mesmo jogando em Amã, na semana passada, a seleção celeste, bicampeã mundial em 1930 e 1950, está praticamente garantida no Mundial do ano que vem. Com o resultado do jogo de ida, 5 a 0 para o Uruguai, a fragilíssima seleção do Oriente Médio precisa de nada menos que seis gols contra os atuais campeões da América do Sul. Ao carimbar o passaporte na noite desta quarta, o Uruguai também garantirá o encontro de todas as equipes que já foram campeãs do mundo no Brasil em 2014 – a França, que corria risco de não vir, conseguiu a vaga.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade