CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 12,90/MÊS

Justiça encerra caso de Ecclestone por US$ 100 milhões

Inglês, chefão da Fórmula 1, era acusado de suborno e corria risco de pegar até 10 anos de prisão

Por Da Redação Atualizado em 6 out 2021, 13h38 - Publicado em 5 ago 2014, 11h10

O tribunal estadual de Munique desistiu de julgar Bernie Ecclestone, chefe maior da Fórmula 1, em troca do pagamento de US$ 100 milhões (cerca de R$ 225 milhões), em um acordo proposto pela defesa do dirigente. O processo foi iniciado em abril, depois de Ecclestone ter sido acusado de pagar US$ 44 milhões (aproximadamente R$ 99 milhões) ao banqueiro alemão Gerhard Gribkowsky, que cumpre pena de oito anos e meio por aceitar o dinheiro do dirigente e por ter cometido outros crimes, como sonegação fiscal.

Leia também:

Bernie Ecclestone avisa o irmão de Senna: ‘Ele está morto’

F1: Ecclestone é absolvido em processo em Londres

Bernie Ecclestone será julgado por suborno na Alemanha

Continua após a publicidade

Fórmula 1: Bernie Ecclestone é indiciado por suborno

Continua após a publicidade

Ecclestone, de 83 anos, negou ter cometido qualquer crime e disse que Gribkowsky tentou extorsão após o processo de venda dos direitos comercias da F1 ao grupo de investimentos CVC, há oito anos. Os advogados do dirigentes alegaram que faltavam evidências de que o chefão da categoria máxima do automobilismo é criminalmente responsável. Eles defendem que os danos causados ao banco alemão BayernLB, que a nome de Gribkowsky estava vendendo suas ações na F1, não estavam claros.

Em 2012, Gribkowsky acabou sendo condenado à prisão após ter aceitado o pagamento dos US$ 44 milhões, e Ecclestone alegou que só desembolsou a quantia após ter sido chantageado pelo banqueiro, que ameaçou denunciar irregularidades fiscais supostamente cometidas pelo dirigente na Inglaterra.

Por causa das acusações, Ecclestone corria o risco de pegar até 10 anos de prisão, mas a Justiça alemã aceitou o acordo multimilionário e assim o inglês seguirá desempenhando a sua função de chefe máximo da F1. O dirigente também acabou beneficiado pelas leis alemãs, que permitem esse tipo de acordo financeiro caso o Ministério Público, as partes lesadas e o tribunal aceitem esse tipo de oferta, que foi uma das maiores da história da Justiça daquele país, segundo destacou nesta terça a imprensa local.

Mediante o pagamento da quantia, Ecclestone teve o seu caso encerrado pela Justiça alemã justamente no momento em que a Fórmula 1 vive o seu período de férias de verão. A categoria terá como próxima corrida de seu calendário o GP da Bélgica, no próximo dia 24, em Spa-Francorchamps.

(Com Estadão Conteúdo)

Próximas provas
Data Local Autódromo
24/08 Bélgica Spa-Francorchamps
07/09 Itália Monza
21/09 Cingapura Marina Bay
05/10 Japão Suzuka
12/10 Rússia Sochi
02/11 Estados Unidos Austin
09/11 Brasil Interlagos
23/11 Abu Dhabi Yas Marina
As equipes e pilotos
Equipe Pilotos
Red Bull Sebastian Vettel (Alemanha) Daniel Ricciardo (Austrália)
Ferrari Fernando Alonso (Espanha) Kimi Raikkonen (Finlândia)
McLaren Jenson Button (Grã-Bretanha) Kevin Magnussen (Dinamarca)
Lotus Pastor Maldonado (Venezuela) Romain Grosjean (França)
Mercedes Nico Rosberg (Alemanha) Lewis Hamilton (Grã-Bretanha)
Sauber Esteban Gutiérrez (México) Adrian Sutil (Alemanha)
Force India Nico Hulkenberg (Alemanha) Sérgio Pérez (México)
Williams Felipe Massa (Brasil) Valtteri Bottas (Finlândia)
Toro Rosso Daniil Kvyat (Rússia) Jean-Eric Vergne (França)
Caterham Kamui Kobayashi (Japão) Marcus Ericsson (Suécia)
Marussia Jules Bianchi (França) Max Chilton (Grâ-Bretanha)
Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

MELHOR
OFERTA

Digital no App

a partir de R$ 9,90/mês

Impressa + Digital no App

a partir de R$ 12,90/mês