Clique e receba em casa a partir de R$ 14,90/mês

Gasto da Olimpíada no Rio passa a R$ 37,6 bi com novas obras

Dos 52 projetos essenciais para a Olimpíada, 15 ainda estão sem custo e prazo de início de obras definidos

Por Da Redação Atualizado em 6 out 2021, 13h45 - Publicado em 29 jul 2014, 13h22

Com novas obras licitadas, no Complexo Esportivo de Deodoro, os custos com projetos relacionados às arenas, para os Jogos Olímpicos de 2016, passaram de 5,6 bilhões de reais para 6,5 bilhões de reais. Essa diferença representa uma atualização da Matriz de Responsabilidade da Olimpíada, documento que enumera as obras fundamentais para o evento. Agora, os gastos com os Jogos de 2016 já alcançaram 37,6 bilhões de reais, assim distribuídos: arenas: 6,5 bilhões de reais; legado: 24,1 bilhões de reais; e investimento do Comitê Organizador da Olimpíada, 7 bilhões de reais. O orçamento previsto na candidatura brasileira era de 28,8 bilhões de reais.

Leia também:

Rio-2016: sujeira da Baía de Guanabara preocupa biólogo em primeiro evento-teste

COB quer Brasil entre os dez melhores nos Jogos do Rio

‘Brasil dará prioridade absoluta à Olimpíada’, afirma COI

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Presidente do COI vê avanço na preparação da Rio 2016

Rio inicia obras ‘simples’ em Deodoro por R$ 643 milhões

“Não se trata agora de um aumento de custos. Como houve a licitação de onze intervenções em Deodoro, as cifras foram atualizadas”, disse, nesta terça-feira, no Rio, o presidente da Autoridade Pública Olímpica (APO), general Fernando Azevedo e Silva.

Dos 52 projetos essenciais para a Olimpíada, quinze ainda estão sem custo e prazo de início de obras definidos. Quando houver a licitação, os valores do gasto total com os Jogos vão ser alterados. “Essa mudança se dá automaticamente quando a licitação é feita. Portanto, são custos previstos”, disse o general.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade
Publicidade