ASSINE PLACAR DIGITAL NO APP POR APENAS R$ 6,90/MÊS

Felipão encerra os testes, mas ainda não fecha lista de 23

Depois de terminar 2013 com vitória, técnico promete manter opções em aberto

Por Da Redação Atualizado em 7 out 2021, 01h26 - Publicado em 20 nov 2013, 08h11

Brasil em 2014

5 de março

África do Sul x Brasil, o último amistoso pré-Copa

7 de maio

Divulgação da lista final dos 23 atletas convocados

28 de maio

Apresentação e início dos treinos para a Copa

A fase das experiências e avaliações de jogadores terminou, mas a seleção brasileira ainda não está com o grupo fechado para a Copa do Mundo de 2014. Pode parecer uma contradição, mas não é: de acordo com Luiz Felipe Scolari, já não há mais tempo para fazer novos testes com atletas novatos na seleção, mas isso não quer dizer que a lista dos 23 esteja concluída, já que o técnico conta com várias opções para alguns setores. Com isso, a observação dos atletas vai continuar – ao contrário do que ocorreu neste ano, porém, ela será feita à distância, com o monitoramento do rendimento dos jogadores em seus clubes. “Por enquanto, tenho este time, mas estou sempre observando os jogadores e não temos uma definição total sobre os 23”, disse Felipão depois da vitória no amistoso com o Chile, em Toronto, na noite de terça-feira. Antes do Mundial, o Brasil só se reúne uma vez, no início de março, para um amistoso com a África do Sul, em Johannesburgo. Esse jogo não deve ser encarado como um “teste final”: Felipão pretende colocar em campo o time que considera ideal. Não será hora, portanto, de experimentar possíveis novidades.

O jogo contra os chilenos foi o último de uma temporada marcada pela reformulação da seleção sob o comando de Scolari. O treinador encontrou uma formação ideal, afunilou o grupo de candidatos a uma vaga em 2014 e abriu um bom leque de opções para a convocação final, que acontece em maio. Contratado no fim de 2012 para substituir o demitido Mano Menezes, Felipão fez muitas experiências no início de 2013, mas logo definiu uma base, principalmente depois da conquista da Copa das Confederações. Mesmo depois do torneio, o técnico ainda anunciou algumas surpresas, o que não deve acontecer em 2014. “Eu, o Parreira e o Murtosa vamos continuar vendo jogos dentro e fora do Brasil, observando jogadores para saber quem pode acrescentar mais ao nosso grupo”, afirmou. Um bom exemplo do estágio atual da confecção da lista final para 2014 é o caso dos goleiros. Felipão fez suas experiências, apontou Júlio César como titular, se convenceu de que Jefferson é o primeiro reserva e deixou para 2014 a definição do outro suplente, vaga que ficará com Victor ou Diego Cavalieri. Nenhum outro atleta será chamado para a posição.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Leia também:

Brasil se despede de 2013 com vitória sobre o Chile

França se supera, vence Ucrânia e também virá ao Brasil

Cristiano Ronaldo faz três gols e despacha a Suécia

Grécia, Croácia e Argélia também garantem vaga na Copa

Gana perde, mas carimba passaporte para vir ao Brasil

No ataque, Robinho voltou só agora à seleção, mas ficou muito bem colocado nas preferências do treinador depois dos jogos contra Honduras e Chile. Uma das poucas novidades possíveis para 2014 é a volta de Kaká – Felipão já disse que está observando o atleta. Uma eventual convocação do jogador do Milan, contudo, não poderia ser classificada como teste, já que o atleta passou pelo grupo de Scolari neste ano e tem larga experiência em Mundiais pela seleção – esteve em três. Um obstáculo de última hora para o retorno de Kaká é Willian, que apareceu de última hora no grupo e teve a chance de jogar tanto contra Honduras como contra o Chile. Fez boas jogadas e até marcou um gol no primeiro amistoso, mas não é possível dizer que tenha convencido por completo o treinador, que já conta com Neymar, Bernard e Hulk – esses sim, garantidos – para jogar pelos lados do campo. Na partida de terça, Felipão aprovou a postura da equipe e só lamentou a falta de precisão dos atacantes. “Foi um bom jogo, porque criamos muitas oportunidades. Infelizmente, só fizemos dois gols, mas poderíamos ter vencido por uma diferença de mais um ou dois. Não teria sido um resultado exagerado.”

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

(Com agência Gazeta Press)

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade