CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 12,90/MÊS

Dunga escala Neymar para ser o novo capitão da seleção

Craque de 22 anos herda função exercida por Thiago Silva na Copa. Técnico diz que ‘feridas do Mundial estão abertas’, mas quer um grupo motivado e animado

Por Da Redação Atualizado em 6 out 2021, 12h55 - Publicado em 4 set 2014, 15h21

“Temos de ser felizes, todos aqui fazem o que mais gostam. Não podemos ter medo ou angústia, só prazer”, disse o técnico

Neymar será o capitão da seleção brasileira sob o comando do técnico Dunga. Em entrevista coletiva nesta quinta-feira, na véspera do amistoso, contra a Colômbia, em Miami, o treinador afirmou que o atacante de 22 anos está pronto para assumir o papel, por sua qualidade técnica e influência sobre os colegas. “Ele é uma referencia do futebol brasileiro. Tem qualidade e, apesar da idade, é experiente, tem postura e é uma referencia para colegas. É uma liderança positiva”, afirmou Dunga.

Leia também:

Atletas jovens são peças-chave para recomeço da seleção

Segunda era Dunga começa com adversários complicados

Dunga repete escalação em mais um treino longo e intenso​

Titulares confirmam que Dunga não quer centroavante fixo​

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Os seis desafios espinhosos de Dunga na volta à seleção

David Luiz acredita que ‘o gigante caiu, mas já se levantou’

Segundo o treinador, Neymar ficou contente em assumir a faixa que foi do zagueiro Thiago Silva durante a Copa do Mundo. “Ele gosta de desafio. Quando conversamos, colocamos a ideia do que queríamos, o lado bom e as responsabilidade de ser capitão. Ele sorriu da mesma forma e sabe que tem outros lideres dentro do grupo. É um momento importante pra ele e para a seleção.”

No entanto, Dunga, que foi o capitão brasileiro na conquista do tetracampeonato em 1994, nos Estados Unidos, tentou tirar um pouco da pressão depositada sobre os ombros do jovem atacante do Barcelona. “Quando disse que íamos ajudar o Neymar na seleção, falei em criar um grupo forte, para que ele cresça mais como jogador e como pessoa. Não queremos um líder apenas na seleção. Todas as vezes que o Brasil venceu Copas, havia vários jogadores com personalidade.”

O gaúcho, que iniciará sua segunda passagem como técnico da equipe, admitiu que “as feridas da Copa ainda estão abertas”, mas pediu que cada atleta valorize ao máximo a oportunidade de jogar pela seleção. “Cada um sente de uma forma, mas em geral todos têm uma vontade grande de resgatar a historia da seleção. Eles sabem do compromisso, e que haverá cobrança, dos torcedores, da imprensa e deles próprios também. A oportunidade foi dada pela segunda vez, e os jogadores têm que aproveitar cada instante na seleção.”

“Temos de ser felizes, todos aqui fazem o que mais gostam. Não podemos ter medo ou angústia, só prazer”, finalizou Dunga, reafirmando que pretende ver uma equipe mais alegre em campo. O técnico já definiu a equipe que enfrentará a Colômbia, nesta sexta, com oito atletas que estiveram na Copa do Mundo, mais Miranda, Filipe Luís e Diego Tardelli.

(Com reportagem de Silvio Nascimento, de Miami)

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Impressa + Digital no App

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital no App

a partir de R$ 9,90/mês