ASSINE PLACAR DIGITAL NO APP POR APENAS R$ 6,90/MÊS

Duda reconhece estratégia arriscada e lamenta: ‘Batemos na trave’

Dos seis saltos a que tem direito na final, Mauro Vinícius da Silva, o Duda, queimou quatro. Após ficar fora do pódio da prova do salto em distância, o brasileiro reconheceu que a marca imposta por ele e seu treinador era muito próxima da permitida e, portanto, muito arriscada. Duda chegou a pensar em adiantar […]

Por Da Redação Atualizado em 8 out 2021, 18h46 - Publicado em 4 ago 2012, 17h58

Dos seis saltos a que tem direito na final, Mauro Vinícius da Silva, o Duda, queimou quatro. Após ficar fora do pódio da prova do salto em distância, o brasileiro reconheceu que a marca imposta por ele e seu treinador era muito próxima da permitida e, portanto, muito arriscada.

Duda chegou a pensar em adiantar seus saltos depois de queimar as duas primeiras passagens e se ver obrigado a fazer uma boa marca na terceira para ficar entre os oito finalistas.

Com 7,96m, ele conseguiu avançar e ainda, em seguida, melhorar para 8,01m. Mas depois voltou a queimar mais dois saltos e ficou sem a oportunidade de tentar bater o britânico Greg Rutherford, que venceu com um salto de 8,31m.

‘A gente resolveu não mexer na marca e isso é arriscado. Mas é isso aí, final é assim mesmo e batemos na trave’, disse o atleta, sétimo colocado no geral, ao Sportv. ‘Já estou adaptado a essa marca e aumentamos só um pouco para fazer um salto melhor. Acho que fui invadindo, invadindo…’, tentou justificar.

A expectativa sobre Duda era grande. Atual campeão mundial indoor com a marca de 8,28m, ele anotou a melhor marca da classificatória na sexta-feira. ‘Gostaria de ter ido melhor, mas tudo bem. Ser finalista olímpico já é ótimo’, declarou, antes de avisar seus planos até os Jogos do Rio de Janeiro, em 2016. ‘Férias (risos). Vou torcer para os outros brasileiros aqui em Londres e depois descansar porque em quatro anos tem muita coisa para acontecer’.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade