CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS

Duda fora do pódio no salto em distância; britânico leva o ouro

O brasileiro Mauro Vinícius da Silva, o Duda, ficou em sétimo lugar na final do salto em distância dos Jogos Olímpicos de Londres, neste sábado, com a marca de 8,01 metros, 30 centímetros abaixo do britânico Greg Rutherford, ouro ao saltar 8,31 metros. Rutherford realizou seu melhor salto na quarta tentativa, levando a torcida do […]

Por Da Redação Atualizado em 8 out 2021, 17h56 - Publicado em 4 ago 2012, 19h45

O brasileiro Mauro Vinícius da Silva, o Duda, ficou em sétimo lugar na final do salto em distância dos Jogos Olímpicos de Londres, neste sábado, com a marca de 8,01 metros, 30 centímetros abaixo do britânico Greg Rutherford, ouro ao saltar 8,31 metros.

Rutherford realizou seu melhor salto na quarta tentativa, levando a torcida do estádio olímpico de Stratford ao delírio, terminando na frente do australiano Mitchell Watt (8,16 m), prata, e do americano Will Claye (8,12 m), que ficou com o bronze.

Duda era considerado uma das maiores chances de medalha do Brasil no atletismo e um dos favoritos ao título por ter se sagrado campeão mundial indoor no início do ano, em Istambul.

“Se meu salto saísse como esperava, poderia ter ganho uma medalha. Infelizmente, nada deu certo. Mesmo assim, saio daqui com a cabeça erguida porque bem ou mal, sou finalista olímpico”, declarou à AFP o brasileiro depois da prova.

Na sexta-feira, o atleta de 25 anos, natural de Presidente Prudente (SP), tinha se classificado para a final com a melhor marca geral (8,11 m).

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

O brasileiro usou uma estratégia arriscada, foi para o tudo ou nada, e acabou queimando quatro dos seus seis saltos.

Quando viu que queimou o primeiro salto, Duda colocou as mãos na cabeça, sabendo que tinha perdido por pouco uma boa oportunidade de liderar a prova.

“Meu primeiro salto foi muito longe, certamente acima de 8,20. Se esse salto fosse válido, poderia até ter conquistado ouro porque sabemos que quando marcamos um salto muito forte já no primeiro os outros podem se desestabilizar psicologicamente”, lamentou.

Após duas tentativas nulas, ele cravou 7,96 m no terceiro salto, suficiente para se manter entre os oito primeiros e ter direito a mais três tentativas.

Ele melhorou sua marca no quarto (8,01 m), mas queimou os dois últimos, perdendo qualquer chance de subir no pódio.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade