CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS

Dicionário de dois Brasis: A a L

VEJA contrasta o Brasil de 1950 com o de 2014 em quase todos os domínios da vida — estética, cultura, economia, política, comportamento e, claro, futebol

Por rinaldogama Atualizado em 6 out 2021, 18h39 - Publicado em 7 jun 2014, 01h00

Imagine a cena de um filme de ficção científica em que um torcedor fecha os olhos no Maracanã em 24 de junho de 1950, data de abertura do primeiro Mundial realizado aqui, e quando volta a abri-los está no Itaquerão, nesta quinta-feira 12, palco do primeiro jogo desta Copa. O que se verá nas próximas páginas é a tentativa de recriar com fotografias e textos a estupenda experiência sensorial daquele choque do futuro do personagem fictício. A seguir, de A a Z, VEJA contrasta o Brasil de 1950 com o de 2014 em quase todos os domínios da vida – estética, cultura, economia, política, comportamento e, claro, futebol. Alguns vícios brasileiros, atraso, por exemplo, parecem invencíveis. Mas o resultado da caminhada civilizatória desses 64 anos que se passaram desde a Copa de 50 é, como se verá, animador. Abaixo as letras de A a L.

Leia também:

Dicionário de dois Brasis – M a Z

AAtraso

​​No futebol, o time que atrasa a bola para o goleiro costuma ser vaiado. Sobram vaias para o Brasil na organização de seus dois Mundiais. Em 1950, a 39 dias da abertura da Copa, não se sabia qual seria a cidade-sede do Nordeste. Projetado para ser o maior estádio do planeta, o Maracanã só foi inaugurado uma semana antes do início da competição. Inacabado. Em 2014, a um mês da primeira partida, o país tinha concluído menos da metade das metas que havia se comprometido a cumprir. E, a onze dias de a bola começar a rolar, o Itaquerão, palco da estreia, não pôde ser inteiramente testado pela Fifa. Vaias, vaias.

BBibi Ferreira

LONGEVIDADE – A atriz e cantora em 1950 e hoje; na ativa
LONGEVIDADE – A atriz e cantora em 1950 e hoje; na ativa VEJA

Às vésperas do primeiro Mundial no Brasil, a companhia de Bibi Ferreira estreou a peça Escândalos 1950. Considerada uma superprodução para a época, a revista tinha um quadro dedicado ao torneio. “A Mara Rúbia simbolizava a Copa e descia do palco toda vestida de dourado. Era desejada por todos, como seria a Jules Rimet nos gramados”, lembra a atriz e cantora. Ela, no entanto, não guarda boas recordações daquela montagem. “O teatro em que estávamos pegou fogo. Perdi tudo e precisei pedir dinheiro emprestado para sobreviver.” Aos 92 anos, a carioca segue na ativa: acaba de estrear em São Paulo Bibi, Histórias e Canções. Como se vê, quem supõe que o gosto – e o talento – dos brasileiros por musicais seja algo recente está enganado.

Burocracia

O título, estampado na primeira página do jornal O Globo de 3 de fevereiro de 1950, intrigava: “As uvas do pobre e os pêssegos dos granfinos”. O texto, entre irônico e arrastado, comentava de que modo a burocracia, essa impertinência do Brasil, impedia o transporte de uvas pelo território nacional. Barcos estrangeiros estavam impedidos de transportar 30 000 caixas de uvas gaúchas, que apodreciam. Enquanto isso, pêssegos, mais caros, iam de avião. A burocracia, como se sabe, ainda atrapalha os negócios em 2014. Navios de cabotagem precisam cumprir doze normas burocráticas, sem muito sentido – nos EUA, basta declarar quem e o que está a bordo. É um dos motivos de o transporte de carga no país ser predominantemente rodoviário.

CConstituição

Constituição
Constituição VEJA

A charge acima (O Globo, 1950) alfineta o iminente retorno de Getúlio Vargas ao poder. A Constituição hoje não corre risco. A discussão recorrente é sobre a judicialização da política.

DDutra e Dilma

VENDO FANTASMAS – Ano eleitoral: volta, Vargas; volta, Lula
VENDO FANTASMAS – Ano eleitoral: volta, Vargas; volta, Lula VEJA

Assim como agora, a Copa de 1950 aconteceu em ano eleitoral. O general Eurico Gaspar Dutra, que havia assumido a Presidência quatro anos antes, vivia momentos de apreensão. Com a inflação em alta e a crise energética fustigando o país (leia o verbete Racionamento), Dutra tinha na volta de Getúlio Vargas, a quem ajudara a depor em 1945, um fantasma de carne e osso. Seu candidato era o mineiro Cristiano Machado, eleito deputado constituinte em 1946. Sessenta e quatro anos depois, Dilma Rousseff atravessa fase semelhante – talvez mais grave porque tenta a reeleição. Além de ter de driblar os simpatizantes do “Volta, Lula” – o ex-presidente que a levou ao Planalto -, recebe críticas por não controlar bem a inflação e, apesar de o país ser abundante em recursos renováveis, um racionamento não é descartado por falhas no planejamento.

EEstética

Estética
Estética VEJA

FFé

Com 126,7 milhões de fiéis, o Brasil é hoje o maior país católico do planeta. Em 1950, com 48,5 milhões de brasileiros que declaravam pertencer à fé romana, já ocupávamos o primeiro lugar na classificação internacional das nações católicas. Um olhar mais profundo, porém, revela um cenário um pouco diferente. De lá para cá, a proporção de católicos em relação à população geral caiu drasticamente. Há sessenta anos, eles representavam um bloco monolítico, com 93,4%. Agora, são 65%. O rebanho vem sendo ceifado pelo avanço acelerado de outros credos, sobretudo dos evangélicos, que despontaram a partir dos anos 90. Os espíritas cresceram, mas pouco: de 1,59% para 2,17% da população.

GGeopolítica

Geopolítica
Geopolítica VEJA

No dia seguinte à abertura da Copa de 1950, os jornais brasileiros noticiavam a invasão da Coreia do Sul, aliada dos Estados Unidos, pela comunista Coreia do Norte. O Brasil resistiu à pressão americana para mandar tropas. O jogo não é mais capitalismo x comunismo, mas a geopolítica mundial afeta o Brasil. Edward Snowden revelou que Dilma foi espionada, e a presidente cancelou sua visita aos EUA.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Gasolina

A gasolina, importada, custava 1,98 real o litro. A Petrobras só seria criada três anos depois – mas o movimento “O petróleo é nosso” estava nas ruas. Hoje, o Brasil produz 1,9 milhão de barris de petróleo por dia, mas, mesmo subsidiada, a gasolina, ainda importada, custa quase 50% a mais e vale 2,80 reais o litro nos postos. É difícil entender esse quadro. Uma CPI do Senado apura a corrupção na Petrobras.

Gordura

A obesidade não preocupava, e a hipercalórica gemada era sucesso entre as crianças. A sorveteria Kibon tinha a marca semipronta mais popular de gemada, anunciada como “alimento completo” e de fácil preparo. Hoje, 39% das crianças brasileiras estão acima do peso e as dietas calóricas são desaconselhadas para elas pelos médicos.

HHino

PERDA DE IDENTIDADE – A brasilidade de Lamartine Babo deu lugar ao pop de Claudia Leitte
PERDA DE IDENTIDADE – A brasilidade de Lamartine Babo deu lugar ao pop de Claudia Leitte VEJA

A melodia que embalou a Copa de 1950 foi a Marcha do Scratch Brasileiro, composta por Lamartine Babo e sucesso na voz de Sílvio Caldas: “Eu sou brasileiro, tu és brasileiro (…) Vamos torcer com fé”. Neste ano, além da música oficial, há todo um álbum em homenagem ao torneio. A canção-tema, We Are One, interpretada pelo rapper Pitbull, com Jennifer Lopez e Claudia Leitte, é um pop eletrônico que só lembra o Brasil nos escassos trechos cantados pela estrela nacional e nas batidas do Olodum.

IIngressos

MUITO MAIS CARO – Um ingresso hoje para a final sai por 1 980 reais
MUITO MAIS CARO – Um ingresso hoje para a final sai por 1 980 reais VEJA

O ingresso mais caro para a final da Copa de 1950 custava 150 cruzeiros, o equivalente a 154 reais. Com o salário mínimo de então (380 cruzeiros, ou 390 reais), era possível comprar duas entradas – e ainda sobrava algum para a pipoca. Hoje, ver a decisão do Mundial na categoria 1, a mais cara do Maracanã, custa 1 980 reais. O salário mínimo de 2014 (724 reais) não cobre metade de um ingresso.

JJoão e John

MENOS POESIA – João Cabral de Melo Neto e John Green
MENOS POESIA – João Cabral de Melo Neto e John Green VEJA

O destaque literário de 1950 foi O Cão sem Plumas, do poeta pernambucano João Cabral de Melo Neto. Hoje, a poesia não mobiliza mais. O líder de vendas de livros no Brasil é o americano John Green, autor de A Culpa É das Estrelas, um romance juvenil.

KKombi

FIM DE LINHA – O modelo da VW: 63 anos de história no país
FIM DE LINHA – O modelo da VW: 63 anos de história no país VEJA

As três primeiras chegaram prontas ao Brasil em 1950. Três anos depois, começaram a ser montadas aqui. A perua da VW foi aposentada em 2013. Hoje, o Brasil produz 3,7 milhões de veículos das marcas mais famosas do mundo, como a alemã BMW.

LLei da Copa

Só na antevéspera do início da Copa de 1950 o comitê organizador vetou a entrada, nos estádios, de fogos de artifício, garrafas e laranjas, das quais jogadores e juízes eram alvos contumazes. A Lei da Copa de 2014, sancionada há dois anos pela presidente Dilma, teve foco mais comercial, reservando à Fifa os direitos de uso de termos como “pagode” e “Brasil 2014”.

Loteria

O ganhador do grande prêmio da Loteria Federal em 1950 recebia o equivalente a 5 milhões de reais. Dava para comprar seis apartamentos de frente para o mar em Copacabana. A M­­ega-Sena já pagou 244 milhões de reais. É muito mais dinheiro, e Copacabana perdeu prestígio para Ipanema e Leblon. O felizardo de hoje poderia comprar 87 apartamentos em Copacabana.

Para ler outras reportagens compre a edição desta semana de VEJA no IBA, no tablet, no iPhone ou nas bancas.

Outros destaques de VEJA desta semana

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade