CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 12,90/MÊS

Cruzeiro fica no 0 a 0 com Santos, mas volta a liderar

Com 25 pontos, equipe mineira voltou a ocupar a liderança do Campeonato Brasileiro

Por Da Redação Atualizado em 7 out 2021, 04h42 - Publicado em 11 ago 2013, 18h30

O Cruzeiro ficou no 0 a 0 com o Santos nesta tarde domingo, no Mineirão, mas chegou aos 25 pontos e voltou a ocupar a liderança do Campeonato Brasileiro. O Botafogo, que no último sábado empatou por 1 a 1 com o Goiás, tem a mesma pontuação, mas é vice-líder nos critérios de desempate. Já o Santos soma apenas 14 pontos e segue próximo à zona de rebaixamento da tabela.

Leia também:

Corinthians bate o Vitória por 2 a 0

Diante do Santos, Barça mostra a dupla Messi e Neymar

Os mineiros entraram dispostos a vencer, mas a falta de criatividade nas jogadas e as finalizações ineficientes impediram o time de ter melhor sorte. A equipe chegou a balançar as redes duas vezes, mas ambos os lances estavam impedidos.

O time paulista havia se fortalecido com o empate com o Corinthians, na última quarta-feira, na Vila Belmiro, e agora planejava dar mais um passo para encurtar a distância que o separa dos concorrentes que estão entre os líderes da classificação do campeonato. Para isso, teria de retomar o caminho das vitórias – após dois empates e uma derrota na competição – o que não deu certo. No fim das contas, o resultado ainda foi positivo, visto que, não fossem as boas defesas de Aranha, o time poderia ter tomado dois ou três gols.

Apesar de equilibrado, o primeiro tempo foi morno – sobraram esbarrões e tropeços e faltaram criatividade e finalizações eficientes. O Cruzeiro chegou a balançar as redes, aos 27, com Vinícius Araújo, e aos 41 minutos, com Ricardo Goulart, mas ambos estavam em posição de impedimento, o que invalidou os gols. Fora estes, lances sem perigo dominaram a primeira metade da partida, e nenhum dos times conseguiu mostrar a que veio.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Por parte do Santos, Montillo, que reencontrou seu ex-time, foi o que teve atuação mais destacada, movimentando-se bem e fazendo os laterais jogarem. No entanto, o poder de finalização fez falta para o time paulista. O atacante Henrique, que não vinha ganhando oportunidades de jogar, foi o escolhido para substituir o suspenso Willian José, o que foi surpresa na escalação. Ele até apareceu um pouco no começo, quando a equipe estava mais ligada, mas não conseguiu finalizar com sucesso. Também parece ter mexido com o time a saída de Arouca logo aos 7 minutos, por conta de lesão.

Já o Cruzeiro pecou na criação de jogadas e na troca de passes antes da finalização, ficando na dependência das jogadas aéreas. A falta que o atacante Everton Ribeiro, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, faz na equipe também ficou evidente. Fora ele, apenas Dagoberto e Júlio Baptista não estavam à disposição. O primeiro foi liberado do departamento médico, mas ainda está em fase de transição entre o DM e a preparação física. Já Júlio Baptista, contratado recentemente, aprimora a parte física. Martinuccio, que deveria ser o principal armador, ficou apagado no meio.

O segundo tempo começou mais quente, ambos os times pareceram ter levado uma injeção de ânimo no intervalo. Aos 2 minutos, Ricardo Goulart já chutou de frente para o gol, mas mandou a bola por cima, desperdiçando a chance de abrir o placar para os donos da casa. Aos 9 minutos foi a vez de o Santos aparecer: Montillo passou bonito por Egídio e cruzou rasteiro para Neilton, mas Mike chegou e tirou a bola a tempo.

Não demorou muito para os donos da casa chegarem na área santista mais uma vez. Em uma recuperada de bola, aos 17 minutos, Borges fez o giro na entrada da área e chutou de esquerda, obrigando Aranha a praticar uma boa defesa. O goleiro, aliás, se destacou na segunda fase da partida, à medida em que o Cruzeiro invadia cada vez mais a área adversária. Aos 31 minutos, Borges ajeitou de cabeça para Ricardo Goulart, que bateu para o gol. Mas a bola não saiu forte e Aranha caiu bem para fazer a defesa.

Elber ainda bateu de fora da área e tentou o ângulo esquerdo de Aranha aos 36 minutos; a bola passou perto, mas o atleta não conseguiu balançar as redes. Daí para frente, o Cruzeiro deu tudo de si, intensificando a pressão a cada minuto. Tudo o que o time não fez ao longo do jogo, tentou fazer nos acréscimos, dando bastante trabalho para o goleiro santista. Apesar do esforço, os mandantes não conseguiram marcar, e o Santos ficou apenas na defesa.

No RIo de Janeiro, durante a estreia de André Santos, o Flamengo venceu o Fluminense por 3 a 2, neste domingo, no Maracanã, e empurrou o atual campeão nacional para uma situação desconfortável na tabela do Campeonato Brasileiro – o time tricolor ficou próximo da zona de rebaixamento, com 14 pontos, algo impensável para muitos de seus torcedores antes do início da competição. Foi a sétima derrota do Flu em 13 rodadas. Ano passado, na campanha do título, perdeu apenas cinco vezes em 38 partidas.

O Flamengo, que com o triunfo no clássico chegou aos 17 pontos, foi superior durante todo o tempo, imprimia velocidade, exercia forte marcação no adversário e via um Fluminense apático, sem criatividade e abusando dos chutões para a frente.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Impressa + Digital no App

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital no App

a partir de R$ 9,90/mês