Clique e receba em casa a partir de R$ 14,90/mês

Cristina usa Boca para distrair população contra denúncias

Transmissão de jogos importantes da equipe mais popular do país é alterada para disputar audiência com um programa que investiga casos de corrupção

Por Da Redação Atualizado em 7 out 2021, 12h05 - Publicado em 22 Maio 2013, 15h21

O vice-governador da província de Buenos Aires disse que é “honesto” que os canais públicos concorram com os programas que têm boa audiência

O futebol argentino enfrenta uma fase turbulenta. Depois de amargar uma queda em suas receitas por causa da estatização das transmissões das partidas pela TV pelo governo de Cristina Kirchner, a elite do futebol local agora é usada como arma do governo contra os opositores. No próximo domingo, um clássico entre Newell’s Old Boys e Boca Juniors pelo campeonato local será disputado às 21h30, horário pouco costumeiro para esse dia da semana. Como as partidas são exibidas pelos canais públicos, o clássico foi remanejado para concorrer com um programa de jornalismo investigativo de um canal privado (e crítico do governo). O Boca, equipe de maior torcida do país, até tentou pedir que o duelo fosse disputado na tarde de domingo, como é tradição em todos os campeonatos do mundo, mas a Associação do Futebol Argentino (AFA) ratificou a alteração pedida pelo governo, que é o detentor dos direitos de televisão.

Leia também:

Cristina Kirchner, a capitã do apagão do futebol argentino

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Argentina punirá violência em estádios com portões fechados

Brutalidade no futebol da Argentina é um alerta para o Brasil

Fontes oficiais admitiram que a transmissão de partidas do Boca e do River Plate, os clubes mais populares da Argentina, foi atrasada aos domingos de forma a competir com o programa semanal apresentado pelo jornalista Jorge Lanata. No programa, são investigados casos de corrupção ligados ao ex-presidente Néstor Kirchner e a funcionários do governo argentino. O vice-governador da província de Buenos Aires, Gabriel Mariotto, disse que é “honesto” que os canais públicos concorram com os programas que têm boa audiência e que é justamente para isso que as emissoras do estado “têm um bom produto” como o futebol.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

(Com a agência EFE)

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade
Publicidade