ASSINE PLACAR DIGITAL NO APP POR APENAS R$ 6,90/MÊS

Cristiano Ronaldo pede ‘justiça’ na premiação da Fifa

Por AE Los Angeles – Depois de ser superado pelo argentino Messi nos três últimos anos, Cristiano Ronaldo acredita que pode voltar a ser premiado como o melhor jogador do mundo em 2012. Eleito em 2008, o astro português do Real Madrid evita fazer projeções para a eleição da Fifa em dezembro e pede apenas […]

Por Da Redação Atualizado em 8 out 2021, 20h27 - Publicado em 4 ago 2012, 12h19

Por AE

Los Angeles – Depois de ser superado pelo argentino Messi nos três últimos anos, Cristiano Ronaldo acredita que pode voltar a ser premiado como o melhor jogador do mundo em 2012. Eleito em 2008, o astro português do Real Madrid evita fazer projeções para a eleição da Fifa em dezembro e pede apenas que seja um resultado “justo”.

No primeiro semestre, Cristiano Ronaldo teve uma performance fantástica e conduziu o Real Madrid ao título do Campeonato Espanhol. Além disso, teve uma ótima participação individual com a seleção portuguesa na Eurocopa. Passa a ser, portanto, um dos favoritos na eleição de melhor jogador do mundo.

Messi, por sua vez, também teve um grande primeiro semestre, mas o Barcelona não conseguiu conquistar os principais títulos que disputou – levou apenas a Copa do Rei. O argentino do Barcelona, no entanto, é sempre favorito na eleição da Fifa e luta agora para faturar o prêmio pelo quarto ano consecutivo.

“Penso que deve ser uma premiação justa, nada mais. Naturalmente, gostaria de ganhar outra vez. Estaria mentindo se dissesse o contrário”, disse Cristiano Ronaldo, em entrevista para a tevê norte-americana ESPN, quando foi perguntado se esperava ser eleito pela Fifa como o melhor do mundo.

Cristiano Ronaldo está fazendo a pré-temporada com o Real Madrid nos Estados Unidos, mas ainda lamenta os resultados do primeiro semestre. No clube espanhol, foi eliminado pelo Bayern de Munique nos pênaltis na semifinal da Liga dos Campeões. E com Portugal, também caiu na semifinal da Eurocopa, diante da Espanha, novamente nos pênaltis. “Foi muito duro para mim”, admitiu.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade