ASSINE PLACAR DIGITAL NO APP POR APENAS R$ 6,90/MÊS

Caso Fifa: sócio argentino de J. Hawilla se entrega na Itália

Alejandro Burzaco pretende negociar acordo de delação premiada com a Justiça americana – assim como fez o empresário brasileiro

Por Da Redação Atualizado em 29 set 2021, 19h55 - Publicado em 9 jun 2015, 11h24

Alejandro Burzaco, o empresário argentino procurado por Interpol, FBI e Justiça suíça por envolvimento no escândalo de corrupção que atinge a Fifa, se entregou na manhã desta terça-feira, em Bolzano, no norte da Itália. O empresário, que no passado fechou contratos com a Traffic, do brasileiro J. Hawilla, se disse disposto a “colaborar com as investigações” que ocorrem nos Estados Unidos.

Leia também:

J.Hawilla usou grampos para colaborar com o FBI

Interpol invade sedes de empresas argentinas investigadas no escândalo da Fifa

Juiz manda prender parceiros argentinos de J. Hawilla

De repórter de campo, a alvo da CPI: os negócios de J. Hawilla

Burzaco, de 50 anos, tomava café da manhã no hotel Baur au Lac, em Zurique, quando a operação policial realizada no último dia 27 de maio culminou na prisão de José Maria Marin, ex-presidente da CBF, e de outros dirigentes ligados à Fifa. Ao se dar conta de que se tratava de uma ação contra a entidade, Burzaco deixou o local sem ser notado, não retornou ao seu quarto e conseguiu sair da Suíça. Nesta terça, porém, ele optou por se entregar à polícia italiana, aconselhado por seus advogados para que tentasse negociar um acordo de delação premiada, seguindo os passos do amigo Hawilla.

O empresário argentino deve aguardar uma extradição para os Estados Unidos. Burazco era uma das 14 pessoas indiciadas pelo Departamento de Justiça dos EUA, suspeito de envolvimentos em casos de corrupção no futebol e que movimentou 150 milhões de dólares. O argentino era o CEO da Torneos y Competencias, uma emissora envolvida em subornos de cartolas em eventos na América Latina, junto com a Traffic.

Lista de seis procurados internacionais divulgado pela Interpol
Lista de seis procurados internacionais divulgado pela Interpol VEJA

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade