Clique e receba em casa a partir de R$ 14,90/mês

Brasil domina premiações individuais; Neymar é o craque

Entre sete troféus, seleção campeã amealhou cinco. Para a Espanha, fair play

Por Giancarlo Lepiani, do Rio de Janeiro Atualizado em 7 out 2021, 09h38 - Publicado em 30 jun 2013, 21h31

Neymar vai para casa carregado de láureas – além dos troféus do torneio, foi eleito, pela quarta vez em cinco jogos, o melhor jogador em campo na finalíssima

A campanha convincente no torneio e a vitória inapelável na grande final fizeram o Brasil dominar as premiações individuais da Fifa, entregues logo depois da conquista do tetracampeonato da Copa das Confederações, neste domingo, no Estádio do Maracanã. Entre sete troféus para os melhores atletas da competição, nada menos que cinco foram parar nas mãos dos brasileiros. Na eleição dos craques do torneio, Neymar, como já era de se prever, ficou com a Bola de Ouro, enquanto o espanhol Andrés Iniesta levou a Bola de Prata e outro brasileiro, o volante-artilheiro Paulinho, conquistou a Bola de Bronze. Entre os artilheiros do torneio, o espanhol Fernando Torres e o brasileiro Fred empataram, com cinco gols cada, mas o europeu levou a Chuteira de Ouro nos critérios de desempate da Fifa. A Chuteira de Bronze ficou com Neymar, que vai para casa carregado de láureas – também foi eleito, pela quarta vez em cinco jogos no torneio, o melhor jogador em campo na finalíssima. Por fim, o goleiro Júlio César, que sofreu apenas três gols na competição inteira, levou a Luva de Ouro da Fifa. Para a Espanha sobrou a taça do fair play, recebida pelo capitão Iker Casillas, acostumado a erguer troféus muito mais importantes. Meio sem graça, o espanhol subiu ao palco, pegou o prêmio, posou para fotos por um breve instante e saiu rapidamente do palco.

Leia também:

Brasil desbanca Espanha, levanta a taça a retorna ao topo

O ‘plano de metas Felipão’: crescer 4 anos em 4 semanas

Continua após a publicidade

Maracanã, um teste de realidade para a mimada Espanha

Continua após a publicidade

Felipão promete ‘mandar um recado ao mundo’ na decisão

Brasil x Espanha, um duelo que não tem nada de amistoso

À distância, Brasil e Espanha alimentam acirrada rivalidade

Nas outras finais brasileiras, três taças e só uma decepção

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade
Publicidade