Clique e receba em casa a partir de R$ 14,90/mês

Balotelli cansou de confusão: ‘Só quero ser um cara normal’

Atacante do Milan diz que seu foco agora é ser reconhecido como o melhor jogador do mundo. ‘Se ainda não consegui isso, é minha culpa’, afirmou

Por Da Redação Atualizado em 7 out 2021, 16h56 - Publicado em 16 mar 2013, 18h08

Conhecido por seu talento em campo e seu temperamento complicado fora dele, o atacante Mario Balotelli parece disposto a acabar com os dias de confusão. O jogador, que vem atuando bem desde que chegou ao Milan, no começo do ano, disse que pretende um dia ser apontado como o melhor jogador do mundo e afirmou que só quer ser “um cara normal”. “O sacrifício conta muito no esporte. Muitas vezes eu só quero ser um cara normal e não consigo”, afirmou o jogador sobre o lado ruim de ser um atleta profissional, em entrevista a uma rede de TV italiana.

Leia também:

Manchester United põe a mão na taça do Inglês

Aos 22 anos, nascido numa família de origem ganesa e adotado por italianos, Balotelli já foi protagonista de muitas controvérsias, que encurtaram suas passagens pelos clubes onde atuou. Quando atuava na Inter de Milão, o atacante se disse torcedor do rival Milan e foi flagrado com a camisa do clube que só agora defende. Depois, no Manchester City, se desentendeu com o técnico Roberto Mancini, deu tiros com uma arma de brinquedo em atletas da base do clube e colocou fogo sem querer na própria casa. Também já foi alvo, diversas vezes, de ofensas racistas por parte de torcedores rivais – a última vez no clássico contra a Inter, em março, quando fez sinais para que os torcedores rivais se calassem e, mesmo elogiado pelo técnico do Milan, Massimiliano Allegri, acabou multado pela Liga Italiana por “gesto agressivo”.

Nova fase – Nos tempos do Manchester City, Balotelli chegou a ser visto com uma camiseta com os dizerem “Por que sempre eu?”. Agora, parece disposto a encerrar esta fase e se aproximar de Messi, Cristiano Ronaldo e Ibrahimovic, a quem listou como ídolos durante a entrevista. O jogador ainda se responsabilizou pelo fato de ainda não ter sido eleito o melhor do mundo. “Se ainda não consegui isso, é minha culpa”, disse.

Neste domingo, o atacante deve ser titular do Milan no jogo contra a Atalanta, pelo Campeonato Italiano. Com 51 pontos, o time é o terceiro colocado, a 11 pontos da líder Juventus. Durante a semana, após a eliminação da equipe na Liga dos Campeões com a derroita por 4 a 0 para o Barcelona (não jogou por já ter defendido o Manchester City no ano passado, na fase de grupos), Balotelli deixou a humildade de lado e avisou: Temos que pensar no futuro. Quando assinei contrato com o Milan, meu objetivo se tornou único: ganhar. E tenho a certeza de que, no ano que vem, poderemos conquistar a Liga dos Campeões”, escreveu, em sua conta no Facebook.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

(Com Estadão Conteúdo e Gazeta Press)

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade
Publicidade