Clique e receba em casa a partir de R$ 14,90/mês

Adaptação do Itaquerão para os jogos Olímpicos custará R$ 13 milhões

Corinthians e Prefeitura de São Paulo se negam a pagar este valor e esperam pela ajuda de parceiros para manter a sede paulista do futebol olímpico

Por Da Redação Atualizado em 29 set 2021, 21h21 - Publicado em 7 abr 2015, 15h54

O secretário de Esportes de São Paulo, Celso Jatene, revelou nesta terça-feira quanto custará a adaptação do Itaquerão para os jogos de futebol da Olimpíada de 2016: 13 milhões de reais. O valor foi oficializado após reunião na sede da Federação Paulista de Futebol e se refere à montagem das estruturas provisórias necessárias para a realização do evento – ao contrário do que ocorreu na Copa do Mundo de 2014, não será preciso aumentar a capacidade do estádio com a instalação de arquibancadas móveis.

Leia também:

Rio-2016: venda de 7,5 milhões de ingressos para Olimpíada é aberta

Brasil já tem mais da metade das vagas garantidas A 500 dias da Olimpíada, Rio acelera obras Rio-2016 divulga calendário de eventos-teste dos Jogos

A partir de agora serão procurados parceiros para bancar a reforma. O Corinthians se recusa a pagar pelas estruturas provisórias, como fez na Copa do Mundo de 2014. A Prefeitura também alega que não será responsável pelos pagamentos. A tendência é que um patrocinador arque com os custos, mas é possível que o Comitê Rio-2016, o governo do Estado e o Ministério do Esporte também contribuam.

Enquanto o impasse sobre o uso do Itaquerão na Olimpíada não é resolvido, a venda de ingressos para as dez partidas previstos para a arena continua suspensa. Os jogos seriam disputados em sete datas: três rodadas duplas e quatro simples. A cidade, no entanto, pretende sediar mais uma partida, a final do torneio feminino.

Caso o impasse sobre as estruturas provisórias do Itaquerão se prolongue e atrapalhe a venda de ingressos, o Comitê Rio-2016 pode tirar São Paulo dos Jogos. Outras seis sedes já estão definidas: Maracanã e Engenhão, no Rio, Fonte Nova, em Salvador, Arena da Amazônia, em Manaus, e Mineirão, em Belo Horizonte. Celso Jatene revelou que há ainda outro impasse, envolvendo os custos com a hospedagem dos atletas, que não serão cobertos pela Prefeitura.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade
Publicidade