CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS
#TBT Placar

Os primórdios de Ronaldo no Cruzeiro, em textos e fotos de PLACAR

Hoje dono do clube mineiro, lenda do futebol iniciou sua carreira em BH há quase três décadas e, logo de cara, foi exaltado pelo ídolo celeste Tostão

Por Luiz Felipe Castro Atualizado em 30 dez 2021, 14h00 - Publicado em 30 dez 2021, 13h55

Ronaldo está de volta ao Cruzeiro. Aos 45 anos, a lenda do futebol protagonizou a grande bomba do mercado de transferências de dezembro ao anunciar que comprou a Sociedade Anônima do Futebol (SAF) do clube mineiro, tornando-se, assim, o seu dono. O retorno à Raposa se dá quase 30 anos depois da chegada do então franzino e dentuço atacante carioca revelado pelo São Cristóvão. A passagem curta, porém marcante, de Ronaldo pelo Cruzeiro foi destaque nas páginas e lentes de PLACAR. 

Assine #PLACAR digital no app por apenas R$ 6,90/mês. Não perca!

Ronaldo atuou pelo Cruzeiro entre 1993 e 1994, em 58 jogos, com 56 gols marcados. Em seguida, se transferiu para o PSV, depois de conquistar a Copa do Mundo de 1994, como reserva da seleção brasileira. O resto é história: tornou-se um ídolo mundial brilhando por Barcelona, Inter de Milão, Real Madrid, Corinthians e, sobretudo, seleção brasileiro. É considerado por muitos o maior camisa 9 de todos os tempos e, desde os primeiros gols, já chamava a atenção.

Na edição de janeiro de 1994, Ronaldo foi eleito a revelação do Brasileirão anterior. “Frio como um veterano, Ronaldo contagia o Brasil com alegria e muitos gols”, estampou a revista. De cara, um elogio rasgado do maior ídolo celeste, Tostão: “Ele tem uma qualidade rara. Toca pouca na bola, mas quando o faz, é capaz de decidir um jogo”.  O camisa 9 tinha, à época, apenas 17 anos – e 75 quilos.

Reportagem de janeiro de 1994 com Ronaldo no Cruzeiro
Reportagem de janeiro de 1994 com Ronaldo no Cruzeiro PLACAR/Reprodução

A reportagem destacou um dos lances mais célebres de sua passagem, na goleada por 6 a 0 sobre o Bahia, na qual Ronaldo balançou as redes cinco vezes. “Ronaldo marcou gols de todos as maneiras. Até mesmo roubando, com a sutileza de um batedor de carteiras, uma bola dominada pelo experiente goleiro Rodolfo Rodríguez”. O texto cita que Ronaldo, que assume ser flamenguista e fã de Zico, não pôde permanecer nas categorias de base Gávea, pois não tinha dinheiro para pagar a condução entre o subúrbio de Bento Ribeiro até os treinamentos.

Ronaldo acabou descoberto por uma lenda do futebol, Jairzinho, o Furacão da Copa de 70, então técnico do São Cristóvão, que comprou seu passe e o levou ao Cruzeiro. “Jair me deu muitas dicas sobre como me comportar contra os zagueiro”, contou Ronaldo na ocasião. “Não esperava tanto sucesso em tão pouco tempo”, completou o jovem, já convocado pela seleção brasileira, meses antes de integrar o time que conquistaria o tetra nos Estados Unidos.

Continua após a publicidade

Nesta época, o fotógrafo Eugênio Sávio registrou diversas imagens de Ronaldo para as lentes de PLACAR. Confira na galeria abaixo:

View this post on Instagram

A post shared by Revista Placar (@revistaplacar)

Ronaldinho, jogador do Cruzeiro.
O craque dentuço em 1994 Ronaldo Guimarães/Placar

Em 2001, já com Ronaldo consagrado como o maior craque do planeta, PLACAR relembrou seu início no Cruzeiro. A estreia ocorreu em uma excursão a Portugal, sob o comando de Carlos Alberto Silva. “Marcou de cabeça seu primeiro gol pelo time profissional e ao final da partida contra o Belenenses, torcedores portugueses o aplaudiram de pé. Na volta, já interessava clubes italianos’.

Na época, o presidente do Cruzeiro disse ter recusado uma proposta de 500.000 dólares da Inter de Milão, “uma valorização de 1.000%”. Ao final da temporada de 1993, o Diário da Tarde, de Belo Horizonte, estampava: Ronaldo tem preço: 10 milhões de dólares”

Reportagem de janeiro de 2001 sobre o início de Ronaldo no Cruzeiro
Reportagem de janeiro de 2001 sobre o início de Ronaldo no Cruzeiro PLACAR/Reprodução

 

Curiosamente, o Cruzeiro também marcou os momentos finais da carreira de Ronaldo. Foi diante da Raposa, no Pacaembu, que Ronaldo marcou, de pênalti, o último dos seus 414 gols oficiais, em jogo válido pelo Brasileirão de 2010.

Ronaldo comemora seu gol de pênalti durante a partida entre Corinthians x Cruzeiro, válida pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro de 2010
Ronaldo comemora seu gol de pênalti durante a partida entre Corinthians x Cruzeiro, válida pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro de 2010 Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Continua após a publicidade

Publicidade