CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS
#TBT Placar

Os primeiros voos de Falcão nas páginas de PLACAR

Estreia do craque foi num pôster com a seleção olímpica. Depois, começou a ser citado como grande revelação do Inter. Nascia o Rei de Roma

Por Da redação 2 dez 2021, 10h43

Os Jogos Olímpicos de Munique, na Alemanha, foram realizados entre 26 de agosto e 11 de setembro de 1972. Uma semana antes do início das competições, PLACAR publicou um minipôster com a seleção brasileira de futebol (formada por “juvenis”, ainda não profissionalizados em seus clubes). A foto clássica, colorida, em duas páginas, com o nome dos garotos, dispensava longas perorações em torno das chances daqueles jovens no torneio. Bastava vê-los. Ali, agachado, com seus grandes cachos loiros, o meio-campo Falcão aparece sorrindo. Foi seu tímido pontapé inicial nas páginas da revista.

Black Friday Abril: Assine #PLACAR digital no app por apenas R$ 6,90/mês. Não perca!

Logo viria mais. Dois meses depois, na edição de 27 de outubro, uma reportagem fazia um balanço do desempenho dos atletas canarinhos na Olimpíada (em três partidas, um empate e duas derrotas, eliminação logo na primeira fase da competição). Fotos de outros quatro jogadores ilustram as páginas. Falcão é citado pela primeira vez ao longo do texto. A revista o elogia (“É um dos melhores meias-canchas que as divisões inferiores do Internacional já formaram”) e mostra a face tímida do rapaz (“Eu só tenho 19 anos e nem penso em ser titular agora. Quero esperar mais dois anos e subir para os profissionais com chances. Essa seleção me deu moral. Antes, jogava preocupado. No juvenil a gente está sempre naquela ansiedade de saber se vai ser contratado ou não. Agora estou tranquilo, pois o Inter me ofereceu Cr$ 25000 de luvas e Cr$ 1000 por mês, pra mim está bom. Eu tinha medo de ser mandado embora.”) Na época, o zagueiro Figueroa ganhava 33000 cruzeiros de salário e o meio-campo Bráulio, 6300 cruzeiros.

Em 1973, o “bom problema” de Dino Sani, do Inter: uma profusão de meios-campistas (acima); o camisa 5 colorado apareceria na capa de PLACAR em setembro daquele ano. Em 1977, ganhou uma só para ele
O camisa 5 colorado em capas de PLACAR PLACAR/Reprodução

A previsão feita por Falcão não se confirmou. Apenas seis meses depois, ele estreou no Inter, num domingo de abril de 1973, pelo Campeonato Gaúcho. E o resultado não foi nada auspicioso. Falcão entrou em campo, no segundo tempo, quando o Esportivo de Bento Gonçalves já ganhava por 2 a 1. O jogo fez história como a primeira derrota do colorado no Beira-Rio (o estádio havia sido construído em 1969). Na semana seguinte, PLACAR publicou reportagem sobre o “bom problema” enfrentado pelo técnico Dino Sani. O centromédio Carbone, que tinha sido convocado por Zagallo para um amistoso da seleção, já não era mais considerado em Porto Alegre titular absoluto do time. “Falcão entrou em campo porque o público já começava a vaiar alguns passes errados de Carbone”, informa o texto. Ao lado, uma foto com seis dos sete meios-campistas do Inter, no intervalo de um treino.

Falcão, como sempre, exibe sua tranquilidade. “Eu não queria subir ainda (para os profissionais). Tem gente demais na posição, mas o Dino insistiu, estamos aí.” A reportagem destaca a “tradição” do Inter de formar centromédios. “A cada ano surge um dos juvenis: Bráulio, Tovar, Paulo César (mais tarde conhecido como Carpegiani), Djair, Vitor Hugo, Falcão.” Há, no fim daquelas linhas, uma brincadeira com a situação, provocando o grande rival colorado no Sul. “Marco Eugênio, técnico dos juvenis, explica um dos motivos para o Inter revelar tantos jogadores na posição: ‘Hoje todo guri bom de bola quer jogar no meio-campo. E aqui no Inter o porteiro está proibido de proibir a entrada de crianças. O garoto pode chegar a hora que quiser, com ou sem chuteira. No Grêmio parece que tem um pouco de minhoca. Então a gente pega mesmo os melhores’.”

Continua após a publicidade

A primeira vez de Falcão na capa de PLACAR foi em 28 de setembro de 1973 – apenas cinco meses depois de sua estreia nos profissionais. Sob o título “Uma nova fera”, ele ocupa metade da página (outras duas fotos completam a capa). A análise, lida hoje, vai na mosca. “Quando o Inter vendeu Carbone, Tovar pensou que havia ficado absoluto. Porém, um garoto tomou-lhe a camisa 5. O técnico Dino acha que Falcão reúne as qualidade de Carbone e Tovar: tanto defende quanto ataca e lança com precisão. E a torcida, encantada com o seu jogo virtuoso, já pensa até na seleção.” A elegância em campo logo se traduziu em títulos: foi campeão gaúcho em 1973, 1974, 1975 e 1976 (quando o time fechou a série de oito títulos consecutivos iniciada em 1969) e bicampeão brasileiro em 1975 (quando ganhou a Bola de Ouro de PLACAR como o melhor jogador do torneio) e 1976.

Em 21 de janeiro de 1977, Falcão mereceu, pela primeira vez, uma capa inteira só para ele. O título era incontestável: “O titular de todo mundo”. No texto, PLACAR reforçava o que era consenso entre a imprensa esportiva nacional. Na seleção, o time deveria ser ele e mais dez. “E o Falcão, seu Brandão?”, perguntava o título da reportagem. “A história se repete. Em 1958, Pelé, Garrincha e Zito viajaram para a Suécia como reservas. Em 1970, não havia vagas para Tostão e Rivellino. Em 1974, Leão e Paulo César Carpegiani estavam condenados ao banco. Agora, a um mês do início das eliminatórias para a Copa do Mundo de 1978, a mesma ameaça paira sobre Falcão, o melhor jogador brasileiro da última temporada.” Segundo a revista, “praticamente ninguém, nem mesmo o técnico Oswaldo Brandão, duvida que uma das camisas da seleção será dele”. A dúvida, na época, era em qual posição o craque colorado entraria. “O lugar de um talento raro como ele é pelo meio, mais à frente, com liberdade e espaços para se movimentar.”

Numa época em que paulistas e cariocas “mandavam” na então CBD (a atual CBF) e eram raros os “forasteiros” convocados, PLACAR ajuda a entender a resistência do treinador e de parte da torcida e da imprensa. Apesar de publicar que Zico considerava Falcão “excelente” e que Leão o via como “um dos mais perfeitos e completos jogadores brasileiros, dono de muita personalidade, sempre tocando a bola pra frente e com objetividade”, o texto explicita uma visão típica daqueles tempos. “Falcão, aos 23 anos, tem um prestígio nacional que faz com que seja muito mais do que um jogador gaúcho a serviço da seleção.”

O resto é história.

“Praticamente ninguém, nem mesmo o técnico Oswaldo Brandão (à esq.), duvida queuma das camisas da seleção será dele.” Não foi. Falcão não disputaria a Copa de 1978
“Praticamente ninguém, nem mesmo o técnico Oswaldo Brandão (à esq.), duvida que
uma das camisas da seleção será dele.” Não foi. Falcão não disputaria a Copa de 1978 Ronaldo Kotscho/Placar

O Brasil passou pelas eliminatórias, e Oswaldo Brandão foi substituído por Cláudio Coutinho, que não levou Falcão para o Mundial da Argentina, apesar de quase todos dizerem que ele deveria estar entre os titulares. Quatro anos mais tarde, o eterno camisa 5 do Inter encantou o mundo na Copa da Espanha (mesmo com a derrota para a Itália, o time que também tinha Júnior, Sócrates e Zico segue até hoje na memória de todo amante do futebol). Foi um craque consagrado no Brasil e na Europa.

Nascido Paulo Roberto Falcão na cidade catarinense de Abelardo Luz em 16 de outubro de 1953, jogou profissionalmente pelo Inter entre 1973 e 1980, pelo qual ganhou cinco títulos gaúchos e três brasileiros. Em 10 de agosto de 1980, na maior transação envolvendo um atleta brasileiro até então, a Roma pagou o equivalente a 1,5 milhão de dólares pelo passe do meia, que ajudou o time a conquistar o Campeonato Italiano na temporada 1982/1983 (feito que não acontecia desde 1942), o que lhe rendeu o “título” de Rei de Roma. Em 1985 e 1986, jogou pelo São Paulo (venceu o Paulista de 1985). Desde então, atuou como comentarista esportivo e técnico (já dirigiu as seleções do Brasil e do Japão). É um dos maiores ídolos da história do Internacional, sinônimo de elegância.

Matéria publicada na seção ‘Primeiros Passos’ da edição impressa 1462 de PLACAR, de abril de 2020

Continua após a publicidade

Publicidade