CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS
Paulo Cezar Caju

A Copinha é uma vitrine, mas também o limite para saber se vai ou racha

Gerações são perdidas por falta de profissionais que consigam observar o talento individual de cada um. O futebol não pode ser dominado por aventureiros

Por Da Redação Atualizado em 11 jan 2022, 19h59 - Publicado em 10 jan 2022, 12h28

Para os que dizem que só reclamo, estou muito feliz que a Copa Africana de Nações voltou a tevê aberta depois de 12 anos. Reunindo 24 seleções do continentes, é uma mini Copa do Mundo e a atual edição reúne estrelas de gigantes europeus, como o egípcio Salah, o senegalês Mané, o argelino Mahrez, o gabonês Aubameyang e por aí vai. Sempre fui fã do futebol africano e poderia ser ainda mais se a maioria dos craques não mudassem a nacionalidade em busca de mais visibilidade: Marius Trésor, Thierry Henry, Zinedine Zidane, Lilian Thuram, Karim Benzema, Patrick Vieira e Youri Djorkaeff são alguns deles.

Black Friday Abril: Assine #PLACAR digital no app por apenas R$ 6,90/mês. Não perca!

Para se ter noção, 14 dos 23 jogadores campeões mundiais em 2018 pela França têm origens africanas. Precisa dizer algo mais? No fim de semana, acompanhei Camarões x Burkina Faso e Etiópia x Cabo Verde, dois jogos muito disputados! Gostei do que vi! Simultaneamente à Copa Africana, estou acompanhando a Copinha! Vocês lembram-se da corrida do ouro, em Serra Pelada? O futebol virou isso, escancaradamente isso, um garimpo sem disfarces. Tenho assistido alguns jogos e, infelizmente, o nível é abaixo da crítica.

Claro, nota-se alguns meninos talentosos, mas com falhas grosseiras em fundamentos básicos. A impressão é que quando um talento é descoberto todos os cuidados voltam-se exclusivamente para ele, a salvação da lavoura. O resto é figuração. Dá o pulo do gato quem tiver o empresário mais influente, a rede de relacionamentos mais ampla. Se tiver dupla cidadania, ótimo, valoriza, facilita! Vi alguns jovens recém-promovidos da base do Vasco serem dispensados. Estão sendo substituídos por atletas mais catimbeiros e experientes.

Continua após a publicidade

Tantos anos sendo treinados, alguns desde os cinco anos no clube, investimento financeiro e psicológico….será que o descarte é a melhor saída? Na verdade, isso é um gol contra da própria comissão técnica que reconhece sua péssima formação. Os clubes precisam vender algum diamante para pagarem suas dívidas e negociam a preço de banana para Noruega, Tailândia, Islândia. A Copinha é uma vitrine, mas é o limite para saber se vai ou racha. A máquina precisa rodar, os cifrões precisam circular e os boletos, as contas e as multas rescisórias se acumulam sobre a mesa dos dirigentes. A garotada é negociada cada vez mais cedo.

Quem correr mais, literalmente, vence. Antigamente, os diamantes eram lapidados por mestres nessa arte. Ser treinado por um Didi tinha o seu valor, mas as folhas secas não caem mais das árvores, o violino de Carlinhos não tem mais cordas, as referências apagaram-se da história. Sempre que vejo a Copinha lembro de meu início e das histórias que ouvia sobre a Escolinha do Neca, de Célio de Souza e de tantos outros formadores.

Hoje, vejo gerações serem perdidas por falta de profissionais que consigam observar o talento individual de cada um, as posições em que melhor se encaixam, o detalhe que faz a diferença. O futebol não pode ser dominado por aventureiros e garimpeiros sedentos e, sim, por lapidadores experientes, que são especialistas em nos brindar com arte. Para facilitar a vida dos geraldinos, resolvi simplificar o linguajar!

Na minha geração, “ligação direta” se chamava bicão pra frente! A “primeira linha” de quatro era na verdade lateral-direito, beque central, quarto-zagueiro e lateral-esquerdo. Protegida por um volante, a “segunda linha” era composta por ponta-direita, meia-direita, meia-esquerda e ponta-esquerda. Na frente, o centroavante era o responsável por balançar as redes! A rede nunca teve bochechas, era ângulo, assim como a bola só tem gomos e não orelha ou cara! Pra que dificultar?

Ainda não assina Star+?! Clique aqui para se inscrever e ter acesso a jogos ao vivo, séries originais e programas exclusivos da ESPN!

Continua após a publicidade

Publicidade