CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 12,90/MÊS

Corinthians manifesta apoio a Richarlyson: ‘Máximo respeito’

Antigo rival, clube é um dos primeiros a publicar mensagem favorável após comentarista se declarar bissexual; São Paulo ainda não se pronunciou

Por Da redação Atualizado em 24 jun 2022, 17h09 - Publicado em 24 jun 2022, 16h50

O Corinthians utilizou as suas redes sociais para manifestar apoio ao ex-jogador Richarlyson, que declarou ser bissexual em entrevista ao podcast “Nos Armários dos Vestiários”, série jornalística da Globo sobre machismo e homofobia no futebol. Antigo rival, já que o jogador atuou de 2005 a 2010 pelo São Paulo, o clube é um dos primeiros a publicar mensagem favorável a orientação sexual do hoje comentarista esportivo. Antes dele, o Vasco também postou breve texto pedindo por “respeito, igualdade, inclusão”.

Assine #PLACAR digital no app por apenas R$ 6,90/mês. Não perca!

“Richarlyson foi um grande jogador, um grande rival em campo e é um grande profissional do meio esportivo. Agora, ao se assumir bissexual, segue sendo tudo isso e ainda se coloca como mais uma importante voz de resistência. Máximo respeito”, disse o clube nas redes sociais.

Richarlyson se tornou o primeiro jogador com passagem pela Série A do Campeonato Brasileiro e pela seleção brasileira a declarar que não é heterossexual. Aos 39 anos, o ex-volante se aposentou no ano passado após uma carreira vitoriosa – com destaque para as passagens pelo São Paulo, entre 2005 e 2010, onde foi tricampeão brasileiro e campeão mundial, e pelo Atlético Mineiro, entre 2011 e 2014, em que conquistou a Libertadores.

“Pelo tanto de pessoas que falam que é importante meu posicionamento, hoje eu resolvi falar: sou bissexual. Se era isso que faltava, ok. Pronto. Agora eu quero ver se realmente vai melhorar, porque é esse o meu questionamento”, disse o ex-atleta.

Continua após a publicidade

“Você me entende por que eu acho que é desnecessário às vezes você se rotular? Tem uma questão mais importante, tem gente morrendo, o Brasil é o país que mais mata homossexuais. E a gente está aqui falando de futebol, ok, mas o futebol é um negocinho pequeno. ‘Ah, mas sua fala pode ajudar’. Não, não vai ajudar. Quem é Richarlyson, pelo amor de Deus? Sou um mero cidadão comum, que teve uma história bacana no futebol, mas eu não vou poder mover montanhas para que acabem esses crimes, para que acabe a homofobia no futebol”, continuou.

Além do Vasco e do Corinthians, artistas e torcedores também elogiaram a coragem do ex-atleta. Durante a entrevista, ele ainda afirmou não acreditar que isso vá contribuir no combate à discriminação contra pessoas LGBTQIA+.

Richarlyson, nova baixa no time mineiro
Richarlyson também jogou pelo Galo – Daniel Augusto Jr./VEJA

“A vida inteira me perguntaram se sou gay. Eu já me relacionei com homem e já me relacionei com mulher também. Só que aí eu falo hoje aqui e daqui a pouco estará estampada a notícia: ‘Richarlyson é bissexual’. E o meme já vem pronto. Dirão: ‘Nossa, mas jura? Eu nem imaginava’. Cara, eu sou normal, eu tenho vontades e desejos. Já namorei homem, já namorei mulher, mas e aí? Vai fazer o quê? Nada. Vai pintar uma manchete que o Richarlyson falou em um podcast que é bissexual. Legal. E aí vai chover de reportagens, e o mais importante, que é pauta, não vai mudar, que é a questão da homofobia. Infelizmente, o mundo não está preparado para ter essa discussão e lidar com naturalidade com isso”, disse ele.

Richarlyson declarou também que percebia um peso diferente nas críticas quando ele jogava mal ou cometia um erro. O jogador afirmou que sempre conviveu com preconceito na carreira. Em 2007, por exemplo, ano em que foi eleito o melhor volante do Campeonato Brasileiro, ele chegou a ver até mesmo parte da torcida do São Paulo não cantar seu nome antes dos jogos.

“Todo dia eu tinha que mostrar algo diferente, e isso sempre falei. Um erro meu era peso cinco. Me atacavam mesmo, parecia uma matilha de lobos. E eu sabia, nunca fui craque, nunca fui tecnicamente incrível, mas era inteligente de saber o que eu poderia fazer para sempre estar à frente dos demais. Eu voltava uma semana antes das férias, porque eu corria na ladeira por uma vaga no time, enquanto os outros estavam no plano. Eu chegava voando na pré-temporada”.

Ainda não assina Star+?! Clique aqui para se inscrever e ter acesso a jogos ao vivo, séries originais e programas exclusivos da ESPN

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

MELHOR
OFERTA

Digital no App

a partir de R$ 9,90/mês

Impressa + Digital no App

a partir de R$ 12,90/mês