Clique e receba em casa a partir de R$ 14,90/mês
Planeta Futebol Feminino na PLACAR

Carta aberta às federações de futebol do Brasil

Este é um texto totalmente opinativo, em que não reflete em nada a opinião da Placar e de todos os colaboradores do PFF

Por Raffaela Carolina 14 out 2021, 11h22

Desde que comecei a acompanhar mais de perto o futebol feminino, percebi o quanto ainda temos muito a evoluir, principalmente na esfera estadual. Enquanto vemos uma Federação Paulista de Futebol (FPF) sendo exemplar na forma como trata os seus campeonatos, inclusive sendo pioneira no investimento na base, em outras regiões só há torneios mal organizados, com poucas equipes e tempo de duração reduzido.

O Estadual para muitas atletas e equipes é a única competição no ano, se resumindo a menos de cinco jogos na temporada, o que não serve para coisa alguma se analisarmos um cenário em que os principais times do Brasil e do mundo jogam 40 jogos ou mais. De que adianta vermos uma Federação completamente organizada, enquanto o restante não se importa ou apenas faz o mínimo que é exigido?

Na maioria dos casos, os Estaduais da categoria feminina não são profissionais na sua execução. As federações deveriam ser uma extensão da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), um auxílio para que a modalidade pudesse evoluir e ter um nível mais equilibrado.

  • A CBF tem sua parcela de culpa pelo que acontece na modalidade no Brasil, mas não está sozinha, pois é impossível administrar tudo o que acontece em todos os estados. Portanto, cabe às federações fazerem a sua parte. Estamos cansadas das mesmas respostas e o mesmo tratamento quando se trata do futebol feminino. Cada federação que faça o que está ao seu alcance, mas precisamos mudar o mais rápido possível.

    Sabemos que pode haver erros durante este processo, mas o ideal é que todas as federações se comprometam a mudar o rumo da modalidade no futuro. Para que este processo aconteça, é preciso ter pessoas capacitadas e que façam tudo com amor e dedicação. Não podemos mais aceitar que a modalidade continue em evolução apenas em uma região, enquanto os clubes do restante se encontram com dificuldades para se manter dentro de um torneio. Em muitos casos, a única opção viável é a desistência, algo que não pode mais ocorrer.

    Continua após a publicidade
    Publicidade