Placar

Assine!

Entrevista

Coutinho se coloca no nível de Willian e não descarta Copa: "Estou no bolo"

Titular do Liverpool, meia ainda não recebeu uma oportunidade com Felipão

Por: Ricardo Gomes, da PLACAR - Atualizado em

3202578
Gerrard e Suárez foi alguns dos que pediram a convocação de Philippe Coutinho | Crédito: Reuters

Esqueça por um momento Neymar, Hulk e Daniel Alves. O jogador brasileiro em melhor momento no futebol europeu nem sequer é figurinha cativa na seleção brasileira.

Camisa 10 do Liverpool, Philippe Coutinho vive fase encantada na Inglaterra. Com dribles, passes decisivos e gols, como o marcado no último domingo, na vitória por 3 x 2 sobre o Manchester City,  ganhou o coração da torcida, dos companheiros e técnico de time. Só não arrebatou o coração de Felipão, que, em pouco mais de um ano à frente do time nacional, nunca apostou no futebol do ex-vascaíno.

Em entrevista à PLACAR, Coutinho bota fé que ainda será lembrado na lista final dos 23 que irão à Copa: "Sei que estou no bolo". O meia não se vê também em inferioridade técnica a Willian, do Chelsea, seu 'concorrente' por uma vaga como reserva imediato de Oscar.

Você surgiu como um típico meia-atacante no Vasco, mas, no Liverpool, tem jogado mais defensivamente, auxiliando na marcação pela esquerda. Sente-se um jogador mais completo hoje em dia?

Acho que isso faz parte do meu amadurecimento. O futebol na Europa tem muito desse conceito e precisei me adaptar. Na Itália já era assim.

Gerrard, Suárez e Brendan Rodgers já pediram a sua convocação para a seleção brasileira. Porque acha que o Felipão ainda não apostou no seu futebol?

É uma pergunta complicada. Todo treinador tem suas preferências e com o Felipão não é diferente. Sei que ele está observando todos os jogadores e acho que estou nesse bolo.

Mesmo sem nunca ter sido chamado pelo Felipão, acha que ainda pode disputar a Copa?

Claro que sim. Sonho com isso e estou trabalhando forte para merecer uma oportunidade. Mas sei que a concorrência é dura.

Acha que está muito atrás de Willian, seu ‘concorrente’ por um lugar entre os meias que irão ao Mundial?

Acho que estamos no mesmo nível. O Willian é um grande jogador e tem mostrado isso por aqui. 

Como se vê em 2018, ano da próxima Copa? Acha que estará mais maduro, com lugar cativo na seleção?

Lugar cativo ninguém tem. Certamente estarei mais maduro, mas vou ter de brigar muito para conseguir um lugar na seleção. Mas 2018 ainda está muito longe. Prefiro sonhar e trabalhar pensando em 2014.

O que encontrou em Liverpool para se sair tão bem?

O ambiente aqui é fantástico. Os jogadores me receberam muito bem e isso foi fundamental para acelerar a minha adaptação. Além disso, acho que nossa maneira de jogar favorece meu estilo.

Teria feito algo de diferente na Inter de Milão, seu primeiro time em solo europeu? Porque acha que não se firmou por lá?

Trabalhei muito na Inter, assim como trabalho no Liverpool. A diferença é que lá eu não conseguia ter uma sequência de jogos. Além disso, tive algumas lesões que me atrapalharam um pouco. Mas a Inter foi muito importante para mim. Aprendi muito lá e vou levar isso para o resto da vida.

Jogar ao lado do Gerrard ajudou de alguma forma no seu desenvolvimento como meia?

Com certeza. Trata-se de um grande jogador. Conhece tudo ali no meio-campo. Ele me orienta bastante. Estamos sempre trocando ideias.

 

 

 

 

 

 

Fonte: PLACAR